terça-feira, 21 de julho de 2015

Ao amigo Jacinto Serrão


Não poderia deixar de demonstrar publicamente o meu apreço ao amigo Jacinto Serrão pelo excelente trabalho desenvolvido na Assembleia da República, na defesa dos interesses dos Madeirenses. Quero agradecer os inestimáveis conselhos que me deu durante a minha liderança no PS-Madeira e salientar que o momento mais duro que vivi, durante a minha liderança, foram as visitas que fiz quando teve o acidente que quase lhe ceifava a vida. Felizmente lutou pela vida e venceu. Sei que este interregno na atividade parlamentar será por pouco tempo. O PS e a Madeira não podem prescindir das suas competências e da sua experiência.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Victor Freitas anuncia que o seu Governo "não despedirá um único funcionário público"


Em entrevista hoje publicada no Diário Economico o candidato do PSD-Madeira, Miguel Albuquerque, diz que não deve haver "ilusões" sobre a reforma do Estado: "É despedir funcionários públicos, não vale a pena estar com ilusões, 78% da despesa do Estado é com pessoal".
Face a estas declarações o Candidato a Presidente do Governo pela Coligação Mudança vem tomar a seguinte posição pública:
1. As referidas declarações demonstram que a visão do candidato do PSD-Madeira tem sobre a Reforma do Estado é a do despedimento em massa de Funcionários Públicos;
2. O candidato do PSD às eleições na Madeira, Miguel Albuquerque, é a favor do despedimento dos Funcionários Públicos o que revela bem a faceta neoliberal ainda mais aguda que a do seu mentor Pedro Passos Coelho;
3. A reforma do Estado na Madeira está por fazer. Estas declarações são taxativas e demonstram a forma como Miguel Albuquerque quer fazer a reforma do Estado na Madeira. Despedir Funcionários Públicos em massa;
4. A agenda oculta de MA é despedir FP
5. O problema da dívida da Madeira e da diminuição de despesa, passa em nosso entender pela renegociação da dívida junto da Banca e do Estado e nunca pelo despedimento de Funcionários Públicos;
6. A Coligação Mudança estabeleceu o compromisso de que sendo Governo na Madeira não despedirá um único funcionário público.
Candidato a Presidente do Governo pela Coligação Mudança
Victor Freitas
http://www.dnoticias.pt/actualidade/politica/498565-albuquerque-diz-que-estado-devia-ter-despedido-ate-40-mil-funcionarios-p

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Imitar e Renovar!

O povo da Madeira não quer um imitador das políticas de Passos Coelho aqui na Madeira, nem um renovador das políticas de Alberto João Jardim.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Incompetência de Miguel Albuquerque lesa 761 Funcionários da Câmara Municipal do Funchal


Tribunal de Contas obriga funcionários a repor dinheiro - devido à incompetência da Gestão de Miguel Albuquerque na Câmara Municipal do Funchal.
Se a Vereação de Miguel Albuquerque tivesse sido competente e feito a avaliação nos anos de 2004 até 2007 os funcionários teriam progredido e não estariam neste sarilho....
Ter de devolver milhares de euros devido à incompetência de Miguel Albuquerque é duro. Como sempre uns são incompetentes e os outros pagam a fatura.
http://www.tcontas.pt/…/srmtc/audit-srmtc-rel022-2014-fc.pdf

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Paulo Martins partiu


Partiu hoje um amigo, uma das figuras Maiores da Democracia e da Autonomia da Madeira. Paulo Martins, que tive a honra de conhecer, lutou sempre pelas suas convicções e nunca transigiu perante as dificuldades. Um pensador e um intelecto superior, cuja vida dedicou à luta política e à Madeira. A vida do Paulo foi sempre marcada pela luta e nos últimos tempos lutou pela vida. Hoje sabemos que partiu, mas como dizia Camões, Paulo Martins, pertence a um grupo muito restrito de pessoas "aqueles que da lei da morte se vão libertando" pelo seu percurso e por tudo o que fez por nós. Paulo gostei de conhecer-te e privar contigo, Muito Obrigado! Os meus sentimentos à esposa Guida Vieira e à filha Joana Martins, estamos convosco!

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Se eu apoiasse António Costa - que não apoio - era isto que diria o seu Mandatário Carlos César?

Carlos César que gosta de colocar no Facebook tudo o que é entrevista e aparição pública na Comunicação Social esqueceu-se de colocar esta entrevista. Lindo serviço!


As declarações do Mandatário Nacional de António Costa, Carlos César, na entrevista ao DN-Madeira publicada a 01-09-2014 é uma deliberada ingerência na vida do PS-Madeira e tem em vista outros fins que não os nacionais. Se eu apoiasse António Costa — que não apoio — o seu Mandatário Carlos César não vinha à Madeira fazer este frete.
Fica a minha fica aqui a minha resposta na íntegra:

1.O ex-Presidente do Governo Regional, Carlos César pode ainda mandar nos Açores, mas na Madeira não manda nem Governa;

2.Eu, enquanto for Presidente do PS-Madeira, não serei comandado nem por Lisboa nem pelos Açores e não admito ingerências no PS-Madeira;

3.Carlos César não é um político inexperiente e não acredito que tenha extravasado as suas competências, como mandatário, sem o beneplácito de António Costa.

4.Fui eleito há 8 meses como Presidente do PS-Madeira e os militantes fizeram a sua avaliação e esta ingerência é uma ofensa a todos os militantes Socialistas da Madeira. Num momento em que o PSD-Madeira está dividido e em escombros este tipo de atitudes demonstra que em nome de uma luta interna nacional há quem queira sacrificar os objetivos políticos do PS-Madeira, tal não permitiremos;

5.Esta encomenda faz lembrar outros tempos em que determinados Ministros de Governos Socialistas e dirigentes do PS quando vinham à Madeira faziam fretes ao PSD-Madeira de Alberto João Jardim, estas atitudes da minha parte não ficam sem resposta;

6.Carlos César perdeu eleições regionais antes de as ganhar, só na Madeira querem que eu ganhe eleições antes delas ocorrerem. Isso só deve ser possível nos Açores. Por cá ninguém ganha eleições antes de às disputar;

7. Eu conheço muito bem o Curriculum político e profissional de Carlos César e a prova provada de que apparatchik ganham eleições está no seu percurso político;

8.Os conselhos e estratégias de Carlos César de que o candidato do PS a Presidente do Governo da Madeira deve ser “conhecedor” do mundo empresarial e das Finanças públicas é um conselho que declino. Para isso já temos os delfins do PSD que por onde passaram fizeram negócios ruinosos para a Madeira, mas excelentes para os empresários, e deixaram um rasto de dívidas.

9.Como presidente do PS-M quero a separação entre a política e os negócios e comigo os interesses empresariais não se sobrepõem aos interesses da população da Madeira e do Porto Santo. Comigo não haverá dívida oculta nem negócios ruinosos como os que assistimos por parte de “conhecedores” do mundo empresarial e de finanças públicas.

10. Quando o PS-Madeira começa a ganhar eleições há sempre umas personagens, dentro e fora do PS, que vêm em socorro do PSD-Madeira, serão denunciadas.

Victor Spínola de Freitas
Presidente do PS Madeira

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

APOIO ANTÓNIO JOSÉ SEGURO


Caras e Caros Amigos

Como é do Vosso conhecimento o Partido Socialista vai entrar num processo de escolha do Candidato do PS a Primeiro-Ministro. A escolha irá realizar-se num domingo, dia 28 de Setembro. Neste momento há dois candidatos um o atual Secretário-Geral António José Seguro e outro António Costa.

Escrevo-vos esta carta para dar conta das minhas razões para apoiar António José Seguro.

Em primeiro lugar faço-o porque entendo que o candidato natural a Primeiro-Ministro é o Secretário-Geral do PS, António José Seguro, foi eleito por todos nós militantes e está legitimado para tal. O PS não precisava de ter este problema interno a pouco mais de um ano das eleições Nacionais e Regionais, criado pela disponibilidade de um Camarada para o cargo.

Quem queria ser Secretário-Geral e candidato a Primeiro-Ministro deveria ter apresentado a sua candidatura em 2011 e 2013 quando existiu Congresso e não agora, quando todos já percebemos que o PS irá ganhar as próximas eleições Legislativas Nacionais.

Há também aqui uma questão de princípio e um precedente grave que se está a criar. Que é o facto de a qualquer momento um militante pode vir para a praça pública desafiar outro para eleições, interrompendo os mandatos para o qual estão mandatados pelos militantes. Isto cria instabilidade política dentro do PS e torna o PS ingovernável. Com este precedente qualquer militante pode desafiar outro para eleições nas sessões de Freguesia, Concelhias, na Região ou à escala Nacional, prática da qual discordo e acho gravíssima. Enquanto liderar o PS-Madeira não deixarei que esta prática de “duelo político” se estabeleça dentro das nossas estruturas. Em democracia há que respeitar quem foi eleito para liderar e a avaliação deve ser feita no final do mandato. Apoio António José Seguro porque não me revejo nesta prática e acho que este tipo de comportamentos irá trazer ao PS muitos “amargos de boca”.

Apoio o nosso Secretário-Geral, António José Seguro a Primeiro-Ministro porque:

ÉTICA – Não aceito que quem fez o percurso dos últimos três anos, o chamado caminho das pedras, seja agora “despejado” das suas funções porque falta pouco mais de um anos para o PS voltar a governar Portugal;

GOVERNAR – Seguro é amigo da Madeira e garante a um Governo do PS-Madeira em 2015 a solidariedade Nacional que a Madeira e Porto Santo tanto necessitam;

MADEIRA – Foi o único SG a compreender a estratégia do PS-Madeira e deu o seu aval na estratégia para as autárquicas, com os resultados que todos conhecem em que ganhamos Machico, Porto Santo, Porto Moniz, Funchal em Coligação e fomos decisivos para as mudanças ocorridas em Santa Cruz e São Vicente, e colocou nas Europeias uma candidata da Madeira em posição elegível;

CREDIBILIDADE – Seguro pegou no partido que vinha de sucessivas derrotas deu-lhe credibilidade e aceitou o desafio quando outros, em 2011 e 2013, fugiram à responsabilidade;

LIDERANÇA -Líder que ganha não se mexe - António José Seguro ganhou as últimas duas eleições;

PRECONCEITO – não aceito que determinada elite partidária de Lisboa se outorga como únicos, dentro do Partido, para Governar Portugal. Não aceito as lógicas de certo preconceito social que existe dentro do partido em que uns servem para governar e outros, devido às suas origens de classe média, são socialistas de um Deus menos;

AMIZADE – Nutro por António José Seguro uma grande amizade e consideração, soube ganha-la porque é um Homem de grandes qualidades e de palavra.

Estas são algumas das razões porque apoio António José Seguro e gostaria de ter a Vossa companhia nesta caminhada.

Um abraço

 

Victor Freitas

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Com sabor Sal(gado)


Ficará na historia a maior fraude financeira em Portugal perpetrada por Ricardo Salgado & família Espirito Santo. Quanto mais leio e vejo pormenores deste drama, para milhares de Portugueses que adquiriram ações do BES,... mais aterrado fico com a perceção de que há muita Mafia no sistema financeiro Português (Mafia no bom sentido diria Alberto João Jardim). Estes personagens são autênticos jogadores de casino com o dinheiro dos outros e estão se marimbado para o prejuízo que provocam a milhares de pessoas(muitos emigrantes que trabalham de sol a sol). Espero que a Justiça seja implacável e que sirva de aviso aos demais. Já agora a reforma do dito Ricardo Salgado na ordem dos 800 mil euros anuais foi para o banco bom ou para o banco mau? Ver mais

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

TERRORISMO POLÍTICO


 O Governo PSD da Madeira não se rege por práticas democráticas nas relações económico-financeiras e de solidariedade para com os Municípios. Ninguém esquece de como no passado Machico e Porto Santo foram discriminados ...pelo PSD, na década de 90, até conseguirem ganhar esses Municípios ao Partido Socialista. Ontem o Presidente da Câmara de Machico e Santa Cruz relataram as descriminações negativas que as suas populações estão a sofrer devido às opções políticas que tomaram. O caso do Porto da Cruz e da intempérie que ocorreu em Novembro de 1013 é disso exemplo. O PSD na Presidência do Governo Regional da Madeira diz o dinheiro vai para as obras do governo e a Câmara Municipal de Machico trate das suas. Em 2010 o Governo PS assumiu as obras na Madeira mas não foram só as infraestruturas do Estado. Assumimos através da Lei de Meios as obras dos Municípios, do Governo Regional e do Estado. É esta a diferença! Quem vota no PSD-Madeira vota na descriminação e na perseguição aos Concelhos da Região que são de outra cor política.

O Banco Espirito Santo parece que foi Governado pelo PSD-Madeira.

 Há na política como na banca falta de mecanismos de fiscalização. Quem gere dinheiro de terceiros, quer na banca quer na política, tem de ser responsabilizado. Já começa a chatear as irresponsabilidades de determinados titulares de cargos nesta terra a beira mar plantado. A Justiça trabalha muito lentamente....