sexta-feira, 8 de março de 2013

ALBERTO JOÃO JARDIM CULPA OS DESEMPREGADOS DE NÃO QUEREREM TRABALHAR


 Jardim diz que a voz da "rua vocifera mas não quer trabalhar" Alberto João Jardim, 8 de Março de 2013

É preciso não ter vergonha na cara. O responsável por ter colocado ...a Madeira e o Porto Santo na atual situação de desgraça financeira, económica e social proferiu tamanhas declarações.
Onde é que estão esses postos de trabalho?
Numa terra que tem mais de 30.000 desempregados, que procuram trabalho e não encontram, uma terra em que o ano de 2012 fechou com um aumento em número de falências na ordem dos 90% face ao ano anterior, numa terra que tinha 120.000 postos de trabalho em 2011 e agora só tem 103.000, vem o Presidente do PSD-M afirmar que as pessoas não querem trabalhar. Estas declarações são as mais graves até hoje proferidas por Alberto João Jardim. O homem não vive neste mundo, rejeita as suas responsabilidades e, mais grave culpa, os desempregados de não quererem trabalhar.
http://www.dnoticias.pt/actualidade/politica/374120-jardim-diz-que-a-voz-da-rua-vocifera-mas-nao-quer-trabalhar

Dia Internacional da Mulher


'Mudança' junta seis partidos


Acordo assinado prevê que ps lidere processo com acordo dos outros partidos
Os líderes regionais do PS, BE, PND, MPT, PTP e PAN assinaram ontem um acordo de coligação para as eleições autárquicas de Outubro... no concelho do Funchal.

'Mudança' é a palavra-chave desta candidatura conjunta que vai privilegiar a colaboração com cidadãos independentes e prevê apresentar listas à Câmara Municipal e Assembleia Municipal do Funchal e às várias assembleias de freguesia.

O DIÁRIO teve acesso ao documento que resume os princípios e regras por que se rege a candidatura e onde se define que a coligação adopta a designação 'Mudança', a qual deverá ser acompanhada nos boletins de voto e propaganda eleitoral pelas siglas PS, BE, PND, MPT, PTP e PAN (por esta mesma ordem).

PS indica cabeça-de-lista
Pelo texto do acordo percebe-se que foi decidido dar alguma margem de liderança à força com maior representatividade eleitoral. "O candidato a Presidente da Câmara será proposto pelo PS mas com o acordo de todos os partidos da coligação", refere-se no documento. Ao cabeça-de-lista será dada 'carta branca' para escolher os restantes candidatos, embora "com o acordo de todos os partidos, tendo por base as áreas funcionais e políticas da gestão camarária". Já o candidato a presidente
da Assembleia Municipal do Funchal será escolhido por acordo de todos os partidos, o qual será seguido por um representante de cada força que integra a coligação.

A restante composição é definida com base no número de autarcas que cada partido tem actualmente, sendo que uma regra semelhante será seguida nas listas para as assembleias de freguesia.

Cabe também ao PS indicar o presidente da equipa de coordenação executiva (que será simultaneamente director de campanha) que irá prestar apoio à coligação nos aspectos que têm a ver com a logística. No entanto, cada partido terá um representante nesta estrutura.

Soluções com acordo
Aliás, no acordo assinado ontem nota-se a preocupação em encontrar propostas de consenso entre os seis partidos. Desde logo, vão todos estar envolvidos na elaboração do programa de governo municipal, da estratégia e orçamento de campanha, bem como no respectivo financiamento.

A procura de uma convergência de posições estende-se ao período pós-eleitoral e o documento define já que os eleitos da coligação 'Mudança' comprometem-se a
assumir posições e votações comuns relativamente a: instrumentos de gestão municipal (planos de actividades e de investimentos, orçamentos, contas, taxas, plano director municipal e planos ou documentos estratégicos de âmbito global ou sectorial); regulamentos municipais; e tomadas de posição relativas a decisões da administração Central e Regional que afectem a cidade.

Desenvolver o Funchal
No preâmbulo do acordo está expresso que a situação económica do concelho (aumento do desemprego, falências de empresas e o empobrecimento das famílias) será uma das principais preocupações da coligação 'Mudança'. Por isso, os principais objectivos deste projecto passam pela "mudança política no Funchal, reforçar a participação e envolvência dos cidadãos nas decisões, executar um programa político de desenvolvimento do município que coloque o Funchal novamente na senda do progresso".

A terminar, refira-se que o acordo privilegia a integração de independentes nas listas e mantém a porta aberta para a participação de outras forças partidárias na coligação 'Mudança', como a CDU.
in www.dnoticias.pt
Ver mais

O MEDO MUDOU DE LADO!

A realidade mudou. O medo sobre as populações já foi chão que deu uvas. O povo deixou de ser superior e passou a ser “cachorro” e já protesta e insulta os Governantes(Cachorro é hoje sinónimo de Cidadania).
O medo mu...dou de lado! O PSD-M vai fazer campanhas de garagem longe do povo para não ser insultado ou mesmo apedrejado. Não fujam do povo. Façam campanha nos bairros, nas ruas, nas praças, em frente às Igrejas etc. Há muita gente que quer falar convosco, têm perguntas a fazer, têm responsabilidades a ajustar nomeadamente as promessas que fizeram nas últimas eleições não prometeram mais austeridade, mais desemprego, mais pobreza, mais emigração, mais falências etc. Venham prestar contas ao povo. O Povo também tem contas a ajustar convosco.Ver mais

OS TONTOS QUE PAGAM



O Presidente do PSD-Madeira que há pouco tempo atrás rebaixou-nos de povo superior para abaixo de cachorro, já tinha apelidado todos os Madeirenses que criticam o investimento na Marina do Lugar de Baixo de "TONTOS". Ju...lgo que não há um Madeirense que concorde que se continue a enterrar ali o dinheiro, para mais numa altura em que falta o pão na casa das pessoas. São os "TONTOS" que estão a pagar os erros do PSD-Madeira, com desemprego, falências, pobreza, emigração e com um enorme aumento de impostos. Gostaria de referir novamente que quem ainda apoia o PSD-Madeira está a apoiar o desvio de dinheiro que deveria ser para matar a fome a quem tem fome para estas obras loucas. Não há inocentes na política. Quando as pessoas votam no PSD-M estão a votar nesta forma de esbanjar os dinheiros públicos - estão a tirar dinheiro da boca das crianças para atirar ao mar. Desculpem a crueza das palavras, mas esta é a verdade.

OS MENINOS DO CARRO PRETO



 

Acostumados ao biberão da abundância na casa do papá nunca lhes faltou nada à mesa, nem as calças e sapatilhas da moda, nem as férias chiques. Estes meninos chegaram ao Governo Regional da nossa terra e também às ...Câmaras Municipais já de fato armani vestido e, no carro preto, que de tenra idade habituados estavam, recebendo o poder por herança e trazendo, na bagagem, o novo léxico das chamadas engenharias financeiras. Secretários e Diretores Regionais, Presidentes de Câmara, Conselheiros Técnicos, Assessores, já vieram encartados nas lógicas das marinas, das piscinas, das parcerias público-privadas, e tudo o mais... Para esta gente, o dinheiro nunca foi um problema. Em casa, o papá pagava as contas, no Governo Regional/Câmaras Municipais, paga o povo. E foi assim e é assim que vivem. Nunca tiveram que gerir um magro ordenado, nunca tiraram o curso de gestão financeira doméstica, porque tudo sempre foi fácil, sempre tudo tiveram dado e arregaçado. Estes rapazes (e raparigas) do biberão estavam em todo o lado, no público e no privado, trabalhavam de manhã para o governo e, de tarde, trabalhavam para as empresas. De manhã, funcionários públicos; de tarde, parceiros da banca. Não faltaram estudos de viabilidade económica e financeira para as Sociedades de Desenvolvimento que, juravam, não iria custar um tostão ao bolso do contribuinte. Esses mesmos estudos diziam que as Parcerias Público-Privadas (Vialitoral, Viaexpresso, Viamadeira e todas as outras) eram excelentes negócios para a Madeira.
Mas o que é realmente deveras engraçado, é que, hoje, os rapazes e raparigas do biberão já não assumem a paternidade de nada disto. Afinal, somente recebiam ordens, não eram eles que propunham. Na verdade, as ideias provinham de outro rapaz do biberão, que não eles. E assim vão enxotando as culpas. Só quem não se livra da irresponsabilidade da divida é quem a paga – os filhos do povo.
Ver mais