quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Tornem a humanidade, humana!

Nasci às zero horas, todos me esperavam com contentamento e com os desejos de que eu fosse a esperança, a luz, um caminho de dias, semanas e meses, mas que no fim se pudesse dizer – foi um ano bom.
Nasci assim entre foguetes, festa e champanhe, nasci sem conhecer o mundo, mas os primeiros momentos do meu nascimento só vi festa, alegria e esperança nos olhos dos humanos.
O meu nascimento foi fruto também do carinho e do amor dos humanos, senti nas palavras, nas atitudes, que todos esperavam muito de mim. Foi com alegria incontida que senti que era um ano muito desejado, todos faziam fé em mim, e os primeiros segundos, minutos e horas da minha vida, foi como se chegasse a um céu terreno.
Depois da festa e com poucas horas de vida comecei a perceber que a alegria, a esperança tinham como pano de fundo uma realidade que desconhecia. A esperança em mim depositada era fruto da aflição dos humanos e da sua triste sina!
Afinal o céu terreno, das primeiras horas da minha vida, era a ilusão, a realidade era bem diferente. Olhei o mundo, vi as desigualdades, vi uns ricos e outros miseráveis, vi as dificuldades de muitos e a alegria de poucos, vi o sofrimento, vi a humanidade, as suas virtudes e os seus defeitos, vi o lado sombrio dos homens, que cada vez mais apaga o seu diminuto lado bom, vi a dimensão desumana do “Ter” colocar-se e esmagar a dimensão do “Ser”. Ouvi os apelos aflitos, daqueles que viviam na pobreza e na miséria, ouvi os gritos de dor das mães que perdiam os filhos nas guerras, foi ai que ganhei outro sentido, passei a sentir a dor como se de um humano me tratasse, mas as dores dos outros eu é que às sentia. Aí percebi que era verdadeiramente sobre-humano, porque nem sempre o humano sente a dor dos outros.
Perante os apelos, dos humildes e dos que sofriam, dei por mim a reflectir que posso eu fazer para mudar este estado anormal da humanidade?

Questionei-me se os próprios seres humanos terão a noção do mal que provocam a si próprios?

Será que têm consciência do caminho que estão a traçar, para si e para os seus filhos e netos?

Será que milhões e milhões de anos de evolução da humanidade, não poderiam gerar uma humanidade mais humana?

Perante estas reflexões dei comigo a pensar que a única acção que poderia fazer era mostrar à humanidade a situação em que se colocara.

Mostrei a quem quis ver a guerra e os seus resultados;
Mostrei a pobreza e a miséria que existe por todo o mundo;
Mostrei os efeitos das alterações climáticas;
Mostrei as desigualdades: o fosso entre os ricos e os pobres.

Dei-vos a sentir:
A crise dos alimentos;
A crise dos combustíveis;
A crise ecológica;
A crise financeira e as vergonhas dos bancos e das bolsas;
A crise económica e social;
Agora que me faltam poucas horas de vida, percebi que afinal os humanos já conheciam esta realidade, tinham e têm consciência destes factos. Deveria ter-vos levado a agir, mas não o fiz. Também eu, agora que oiço as trombetas dos finados e que me resta muito pouco tempo, deixo-vos um último apelo: não desperdicem 2009! Tornem a humanidade, humana!

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Remodelação do porto do Funchal arranca sem projecto definitivo

in Público
28.12.2008, Tolentino de Nóbrega
Governo Regional abandonou plano director do porto e a remodelação da zona portuária está a ser feita, em separado, por duas empresa públicas
A reestruturação do porto do Funchal está a avançar, com vários recuos e indefinições, sem obedecer a um plano director único e sem a participação da câmara municipal. Na reconversão do porto manda a vice-presidência do Governo Regional, na gare marítima manda a Secretaria dos Transportes e Turismo.As obras de reconversão do antigo parque de contentores, o primeiro investimento da responsabilidade da Sociedade Metropolitana de Desenvolvimento (SMD) no Funchal, arrancaram no cais norte. No cais sul, no molhe da Pontinha, a Administração dos Portos da Região Autónoma da Madeira (APRAM) vai construir uma gare marítima internacional, cujo projecto foi apresentado na recente Convenção de Veneza, dedicada ao mercado de cruzeiros. Os concursos para os dois projectos foram lançados, em separado, por estas duas empresas regionais de capitais exclusivamente públicos, depois de o Governo Regional ter abandonado o plano director do porto para cuja execução a APRAM, empresa gestora dos portos madeirenses, garantira financiamento, com uma comparticipação da União Europeia de 65 por cento. A gestão repartida por duas entidades, sob tutela de departamentos governamentais diferentes, foi já contestada pelo ex-secretário da Economia, Pereira de Gouveia. Num parecer entregue ao Governo Regional de que é actualmente consultor, o antigo secretário da Economia defende que "os activos da Administração de Portos da Madeira SA não podem, nem devem ser alienados ou afectos a outros fins sob pena de inviabilizarem o projecto global". A crítica de Pereira de Gouveia visa especialmente a intervenção da SMD em toda a frente marítima, desde a zona de São Lázaro à rotunda Carvalho Araújo, prevendo diversas construções nos antigos terminal de contentores e entreposto de pesca, com dois pisos edificados acima da cota da Avenida Sá Carneiro. Ao deixar de "assegurar a vista mar ao longo da marginal", esta orientação colide com a justificação dada para a onerosa transferência do parque dos contentores para o Caniçal, lembra o ex-governante, que alerta ainda para o facto de as novas construções, em área sob jurisdição portuária, não estarem de acordo com o código da International Securites off Porto Facilities and Shipping (ISPS). Indisponível para prestar informações sobre o projecto, o presidente da SMD, Pedro Ferreira, disse ao PÚBLICO que, "face à dinâmica das alterações que têm vindo a ser introduzidas, sempre com o objectivo de realizar, naquele espaço, o melhor projecto possível, não há elementos gráficos que permitam mostrar o projecto na sua totalidade". Apesar de a parte já em obra ter o projecto consolidado, "as zonas de interface com as estruturas existentes ainda estão a sofrer alguns ajustamentos", esclareceu, adiantando que, "finalizados estes ajustamentos, proceder-se-á à divulgação completa da obra".Posta a concurso no final de 2005, a reconversão da marginal poente do porto incluía a construção de um aquário na zona de lazer, num investimento com custo estimado em 40 milhões de euros. Para a elaboração do projecto, o júri declarou vencedora a proposta do arquitecto Manuel Salgado, autor das Portas do Mar (Ponta Delgada, Açores), eleito terceiro melhor porto de cruzeiros em 2008, depois dos portos de Tyne, no Reino Unido, e de Veneza. Por dificuldades financeiras, o programa do aquário foi entretanto abandonado, sem esclarecimento público, não constando já da adjudicação da empreitada da reconversão do porto, feita em Julho passado ao consórcio formado pela Somague, ACF-Arlindo Correia & Filhos e Etermar. As obras, que consistem essencialmente na construção de um auto-silo com cerca de 500 lugares e de um edifício de serviços e no reperfilamento e arranjos exteriores da Avenida Sá Carneiro, incluindo os trabalhos de fundações, estruturas, construção civil, instalações hidráulicas e eléctricas, mecânicas, climatização e arranjos exteriores, foram avaliadas pela SMD em 18,5 milhões de euros e têm um prazo de execução de 18 meses. As intervenções previstas incluem também, a poente, um espaço destinado ao controverso realojamento da discoteca Vespas, com projecto do arquitecto Duarte Caldeira. Nascida em 1980 como clube privado, numa garagem da Fundação Zino, junto à ponte do Ribeiro Seco, a discoteca foi obrigada a abandonar o local em 1988, devido ao alargamento da estrada, passando a partilhar as novas instalações da Direcção Regional dos Portos, na marginal, a partir de 1990, com um contrato de concessão válido por 25 anos. Agora será reinstalada, em condições que nunca foram divulgadas, no edifício projectado por aquele arquitecto madeirense. Além do aquário e do edifício de serviços, do lado poente da praça, o projecto do gabinete de Manuel Salgado prevê outras áreas de serviços acima da cota da praça, que funcionarão como um prolongamento da mesma. A nascente, na zona de São Lázaro, o estudo urbanístico de base inclui outros edifícios na área de intervenção (clubes náuticos, administração portuária) que serão objecto de futuro desenvolvimento.Fora deste plano de reconversão do porto, a gare marítima internacional, a construir pela APRAM, representa um investimento de 12,8 milhões de euros. A concluir no prazo de um ano, o projecto desenvolve-se de uma forma longa e estreita em 170 metros do molhe do Cais da Pontinha. Inclui lojas no circuito de embarque, torre de controlo e gabinetes das entidades presentes no porto, distribuídos pelo piso térreo e primeiro andar.

Governo Regional aumenta taxas anuais da zona franca em 33,3 por cento

in Público 30.12.2008, Tolentino de Nóbrega
A sociedade que gere o centro internacional de negócios é controlada pelo Grupo Pestana, com 70 por cento do capital. Governo Regional da Madeira tem 25 por cento
O Governo regional decidiu aumentar em 33 por cento, com efeitos a partir de 1 de Janeiro, as taxas de todas as entidades licenciadas para operar no âmbito do Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM).
Pela decisão, publicada no Jornal Oficial de 22 de Dezembro, a presidência do Governo Regional passou de 750 para mil euros a taxa de instalação, funcionamento e exercício de actividade na zona franca, uniformizando-a para todas as entidades licenciadas no CINM. Por outro lado, procedeu à reformulação do modo de assunção da responsabilidade pelo pagamento das taxas devidas pelas sociedades de management que até agora tinha uma natureza casuística. A taxa anual de funcionamento sobe de 1500 para 1800 euros para entidades licenciadas pelo CINM para exercer actividades de serviços internacionais que não se revistam de natureza financeira ou de trust; de 2000 para 2400 euros para as sociedades e sucursais de trust (que por cada instrumento de trust pagam uma taxa que passa de 250 para 300 euros); e de mil para 1300 euros para as sociedades de management. Relativamente às entidades de transportes marítimos, a taxa anual de funcionamento passa de 1500 para 1800 euros e, no caso dos barcos de recreio, de 750 para 900 euros. Com este acréscimo - o maior decorridas duas décadas sobre a fixação inicial das mencionadas taxas, que apenas sofreram alteração substantiva em 1999, aquando da introdução do euro - a Sociedade de Desenvolvimento da Madeira (SDM) deverá registar no próximo ano um significativo aumento de receitas, nomeadamente proveniente da anuidade a pagar pelas cerca de 4000 entidades licenciadas. Participada em 25 por cento pelo governo e controlada pelo grupo Pestana, com 70 por cento do capital, sendo presidida por Francisco Costa, detentor dos restantes cinco por cento, aquela sociedade é concessionária da administração e exploração da zona franca desde 1987, em regime de serviço publico, e por um período de 30 anos. Com um volume de negócios na ordem dos 10 milhões de euros, a SDM apresentou em 2007 um resultado positivo de 4,3 milhões de euros, valor que se tem repetido desde 2003. Desse montante, mais de três milhões cabem ao grupo Pestana e um milhão dá entrada nos cofres da região, que, nesse ano, assumiu encargos superiores a meio milhão de euros, quer com a remuneração do pessoal do Registo Internacional de Navios (319 mil euros) e do gabinete da zona franca (187 mil), quer na aquisição de bens e serviços (14 mil).
Quanto vale a zona franca
Em 2008, o PSD rejeitou no parlamento madeirense a proposta do PS para avaliação do impacte da zona franca ao nível de desenvolvimento da Madeira. Com um contributo estimado em um por cento do emprego e em 21 por cento do PIB regional, peso que colocou a Madeira fora do Objectivo 1 dos apoios da convergência, com a perda de 500 milhões de euro de apoios europeus, o CINM representa no Orçamento do Estado para 2009 uma despesa fiscal de 1800 milhões de euros.
A 27 de Junho do corrente ano, a Comissão Europeia aprovou a prorrogação do regime fiscal do CINM até ao ano 2020, aprovada pelo Governo português pelo Decreto-Lei n.º 13/2008. Como tal, as entidades licenciadas a partir deste ano e até 2013 beneficiarão de taxas reduzidas de IRC de 3% entre os anos 2007 e 2009, 4% entre 2010 e 2012 e 5% entre 2013 e 2020. Tais entidades continuarão a beneficiar de uma isenção total de retenção na fonte na distribuição e pagamento de dividendos e royalties assim como do imposto de selo nos aumentos de capital até ao ano 2020. De modo a beneficiar destas reduções e isenções fiscais, as entidades licenciadas deverão criar, pelo menos, um posto de trabalho. As entidades licenciadas para operar no âmbito do CINM antes de 2007 transitarão para o novo regime agora aprovado por Bruxelas em 2012 e que vigorará até ao ano 2020. 4,3 Em 2007, a Sociedade de Desenvolvimento da Madeira obteve um resultado positivo de 4,3 milhões de euros.

PASSADO-FUTURO

PASSADO
GERAÇÃO DO BETÃO!
_______________________________________________________
_______________________________________________________
FUTURO
GERAÇÃO DO CONHECIMENTO
?

AUTONOMIA: ELEIÇÕES À ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2009

O grande desígnio dos Deputados às próximas eleições AR será a futura Revisão Constitucional afirmou o Presidente do PSD no último Congresso!
O PSD-M quer fazer das eleições um Referendo à Constituição AUTONOMISTAS VS ANTI-AUTONOMISTAS!
EU PERGUNTO QUAIS SÃO OS CANDIDATOS AUTONOMISTAS DO PSD-M? SERÃO OS QUE TRAIARAM A AUTONOMIA?

AUTONOMIA TEM DIAS ...... PSD-MADEIRA

Para o PSD-M a AUTONOMIA é quando o PSD-M quiser.
Este PSD-M não é AUTONOMISTA! Fazem depender a AUTONOMIA de estratégias partidárias.
  • Como irá justificar o PSD-Madeira a votação dos deputados da Madeira na Assembleia da República?
  • Abstiveram-se em relação ao Estatuto dos Açores, como irão votar na Assembleia da República uma Constituição mais Autonomica, se não votaram um Estatuto que dava mais Autonomia a uma Região Autónoma?
  • A estratégia eleitoral do PSD-M para 2009 baseia-se na eleição de Deputados do PSD-M para a Revisão Constitucional de 2010, assim sendo como irão justificar-se perante o eleitorado, que querendo mais Autonomia absteram-se, contra ela?
  • Os Madeirenses irão eleger Deputados do PSD-Madeira para que estes, na Assembleia da República, se afastem da defesa da Autonomia, abstendo-se?

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Parque Natural dá parecer negativo à construção do Teleférico do Rabaçal


Estudo de Impacte Ambiental do Projecto de Execução do Teleférico do Rabaçal

lagoa do vento - Rabaçal

DIA DAS PETAS EM SANTANA!

EM SANTANA O DIA DAS PETAS JÁ NÃO É NO DIA 1 DE ABRIL É TODO O ANO!

ISTO A PROPÓSITO DE UMA NOTÍCIA DE HOJE NO DN EM QUE O DEPUTADO RUI MOISES E O PRESIDENTE DA CÂMARA DE SANTANA, CARLOS PEREIRA, DESCULPAM-SE PELA NÃO CONCRETIZAÇÃO DAS OBRAS NO CONCELHO POR CAUSA DE "CORTES FINANCEIROS" DE JOSÉ SOCRATES...
A ESTES PINÓQUIOS HÁ QUE RELEMBRAR QUE:
  • AS TRANSFERÊNCIAS DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA AS JUNTAS DE FREGUESIA E CÂMARAS MUNICIPAIS AUMENTARAM NOS ÚLTIMOS ANOS;
  • O GOVERNO PS CRIOU O PROGRAMA PAGAR A TEMPO E HORAS O QUE PERMITIU ÀS CÂMARAS SALDAR AS SUAS DÍVIDAS AOS FORNECEDORES, PARA A MADEIRA VEIO 256 MILHÕES DE EUROS O QUE CORRESPONDE A 76% DO TOTAL DO PROGRAMA.

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

FELIZ NATAL


LAGOA NATURAL DO FANAL


Foto tirada dia 20 de Dezembro de 2008

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

TODOS IGUAIS ... TODOS DIFERENTES



Há por ai quem se escandalize com esta atitude do PND que andou a dar 30 euros aos idosos. Mas, quem hoje fica escandalizado, nunca se escandalizou quando o PSD-M montou vários arrais tipicos na campanha e deu espetada a quem quisesse, como também todos sabemos que nas inaugurações hà vinho e espetada para atrair a população para o circo mediático que AJJ e o PSD-M montam para estas ocasiões, sem esquecer os cabazes de compras oferecidos pelo PSD nas vésperas das eleições ..etc.

A Grande diferença entre os dois partido é esta: o PND mostra aos olhos de todos as dificuldades que atravessam uma grande parte da população Madeirense, que vive em grandes dificuldades.

TRAIÇÃO À AUTONOMIA...

OS TRAIDORES


CERTA COMUNICAÇÃO SOCIAL PARECE IGNORAR ESTE ACTO DE TRAIÇÃO ...... TÃO DILIGENTES NOUTRAS SITUAÇÕES ...

DEPUTADOS DO PSD-MADEIRA ABSTIVERAM-SE NO ESTATUTO DOS AÇORES!

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

O ÁLIBI

Quando um Governo perde o Orgulho na sua obra, quando não tem estratégia, quando se vê confrontado com a realidade produzida pelas suas políticas, quando se sente acossado pelos adversários e sabe que estes têm razão, quando sente que já não tem um suplemento de alma, ânimo, ou mesmo vontade para encetar um caminho de mudança, quando o “mundo” que construiu começa a realçar as suas fragilidades, quando já não têm soluções, procura a última das armas: o álibi.
Foi assim desde 2004, o primeiro álibi criado foram as 38 medidas, que foram negociadas com o então primeiro-ministro Durão Barroso. Não podendo responsabilizar a república pelos males da Madeira, porque não havia dinheiro por parte do Estado para despejar nas mãos do Governo Regional, criou um pacote de medidas, que em substituição da guerrilha institucional, permitia-lhe margem de manobra no discurso político, dando a ideia que se estava a fazer coisas, sem que assim provocasse azedas relações com um governo do seu partido na República.
Com as eleições antecipadas de 2005 e com a eleição de José Sócrates para primeiro-ministro, com uma cor política diferente da sua, começou por exigir do Estado tudo o que nunca exigiu quando o PSD/CDS-PP estavam no Governo. A partir dessa data tudo o que corria mal na Madeira era da responsabilidade do Governo do PS. A tónica do discurso mudou, a guerrinha institucional ressurgiu, as emboscadas políticas passaram a fazer parte do discurso do PSD-M. O álibi estava criado e o responsável por tudo o que está mal na Madeira estava encontrado: o Governo PS e o primeiro-ministro José Sócrates.
Com a lei de Finanças Regionais foi o fruto apetecido e o álibi desejado. O PSD e o seu líder tinham o mote e o responsável por todas as desgraças que por aqui grassavam, tinham a desculpa porque tanto ansiavam, tinham a razão concreta para a sua demissão e a realização de novas eleições fazendo recair sobre os outros os maus resultados das suas políticas. Assim foi.
O Velho Governo do PSD-M tomou novamente posse, foi prometido aos Madeirenses a resolução dos problemas, o regresso à terra do “leite e mel”, como nos tempos bíblicos, estava ali mesmo à mão. Só que foi sol de pouca dura, o céu ficou nublado, as nuvens carregaram-se de negro, o horizonte ficou turvo e o PSD não conseguiu colocar aos olhos dos Madeirenses essa Madeira de sucesso, de progresso e bem-estar, para os Madeirenses.
Perante esta situação o PSD voltou a ensaiar mais uma manobra de diversão, mais um álibi: a Revisão da Constituição. Como os Madeirenses rapidamente se aperceberam do embuste, o PSD começou a “remar para terra”, e voltaram ao discurso do inimigo externo, acusado o Governo PS de descriminar negativamente a Madeira.
Na discussão do Orçamento da RAM assistimos a um Governo sem alma, sem propostas e sem projectos, preocupado em arranjar desculpas e responsáveis, que não eles, para tudo o que se passa na Madeira. No próximo ano, 2009, os culpados pela situação da Madeira continuará a ser José Sócrates e, junta-se a ele um novo culpado, a crise financeira internacional. Está criado o álibi e os responsáveis pelos problemas da Madeira.

2009 ANO DE INAUGURAÇÕES - PSD FOGE DA SUA OBRA!

Com três actos eleitorais - Europeias, Nacionais e Autárquicas - é um ano de eleições e como tal o Presidente do PSD-Madeira vai andar no lufa-lufa das inaugurações.
Como tal deixamos, desde já, o desafio para que AJJ inaugure os resultados das suas políticas, fica aqui algumas sugestões:
  • Inaugurar o Crescimento do Desemprego;
  • Inaugurar a disseminação da toxicodependência por todo o Arquipélago;
  • Inaugurar o Aumento da Pobreza e da exclusão Social;
  • Inaugurar a Imigração e a Sangria de Jovens que fogem para Londres e para as Ilhas do Canal;
  • Inaugurar a Falência de Empresas.. etc..
Tudo isto é OBRA do PSD-M, e só ao PSD-M compete inaugurar!

UM GOVERNO ESTRANGEIRO!

O que se tem passado desde as eleições antecipadas de 6 de Maio de 2007 na Região não lembra ao Menino Jesus.
Um Governo com maioria, legitimado pelos Madeirenses nas urnas, com todas as condições para governar, recusa-se a Governar a Madeira.

O Governo do PSD-Madeira e o seu Presidente têm soluções para tudo o que é estranho à Madeira, mas não têm soluções para resolver os problemas dos Madeirenses.

Os Madeirenses votaram no PSD para resolverem os problemas da Madeira, mas pasme-se que os nossos governantes têm soluções, mas não para a Madeira.

Temos assistido a declarações e a apresentação de soluções, da parte dos ditos, para resolver problemas mundiais, problemas europeus e até prontificam-se a resolver problemas em Lisboa, quanto aos problemas da Madeira, nada!

Parece que os Madeirenses elegeram um Governo Estrangeiro, que não Governa a Madeira, que não têm soluções para a resolução dos problemas das empresas e das famílias Madeirenses.

Para mais, o Presidente do Governo anda sempre fora, anda por Lisboa, por Bruxelas e, de quando em vez, vem à Madeira para umas mini-férias.

Temos de facto um Presidente do Governo Estrangeiro, que Governa uma Região no Estrangeiro, que tem soluções para os problemas de lá, mas não tem uma única solução para os problemas de cá!

Quando os Madeirenses votaram não sabiam que iriam eleger um Presidente e um Governo para Governarem no e para o Estrangeiro, porque as soluções deste Governo que sobram para resolver problemas alheios à Madeira, faltam para resolver os problemas dos Madeirenses.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Contradições .... ou malabarismos

Diz uma coisa e o seu contrário....
Jardim reclama "afastamento de figuras do PSD nacional que desejem a vitória de Sócrates" 14-12-2008;
Jardim "disponível a apoiar Sócrates se este não tiver Maioria absoluta" 5-05-2008

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Ajuste directo: Câmara Municipal da Calheta

Data de registo:21-11-2008
Nome entidade adjudicante: Câmara Municipal da Calheta
Nome entidade adjudiatária: António Miguel Ferreira Ribeirinho
Objecto do contrato(descrição sumária):
Elaboração dos Mapas de Pessoal 2009 e Transição de Carreiras e Categorias
Preço do contrato (Euro): 12.000,00 €
Prazo de execução (dias): 10
Local de execução: Calheta

Ajustes directos-Câmara Municipal da Calheta

Data de registo: 25-11-2008

Nome entidade adjudicante: Câmara Municipal da Calheta
Nome entidade adjudiatária: Palco Madeira – Construções de Palcos e Tribunas Ldª
Objecto do contrato(descrição sumária):
Colocação de 1900m2 de alcatifa vermelha com plástico, no Pavilhão dos Prazeres, para convívios de Natal, a organizar pela Câmara Municipal
Preço do contrato (Euro): 9.500,00 €
Prazo de execução (dias): 1
Local de execução: Calheta

O DISCURSO INDIGENTE DE ALBERTO JOÃO JARDIM

Quem assistiu ao se discurso na ALRAM, onde brindou as oposições com uma serie inenarrável de impropérios, vislumbra os estados de alma do dito.

Aliás o seu discurso e a sua verborreia de ofensas não diz nada sobre os partidos da oposição, mas diz tudo sobre quem os proferiu. O angustiado já não consegue esconder os seus estados de Alma.

O ANGUSTIADO


Quando Jardim chegou ao poder mudou o nome da Quinta das Angustias para Quinta Vigia.
Ele próprio assumiu a nova denominação da quinta e durante anos vigiava tudo o que se passava na Madeira, era também um velador, porque no seu espírito floresceu a ideia que velava pela Madeira, era o seu patrono e o seu protector.
Hoje jardim está cada vez mais distante da Madeira e dos Madeirenses, já não vigia o que por aqui se passa, nem vela pelo bem-estar da Madeira. Nota-se no discurso proferido na Assembleia Legislativa da Madeira sobre o Orçamento para 2009 um João Jardim profuso, difuso e confuso, sem chama, sem estratégia, sem rumo, mas angustiado.
Mais uma vez, os fantasmas daquela quinta, o seu nome original, Quinta das Angustias, toma conta de quem a habita. De vigia, velador, patrono e protector, João Jardim é hoje, cada vez mais, um angustiado.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

SABIA QUE?

Salário mínimo aumenta para 472 euros nos Açores em 2009.

Salário mínimo aumenta para 459 euros nos Madeira em 2009.

CRISES PARTIDÁRIAS .... OU AMBIÇÕES ...

Jardim reclama afastamento de figuras do PSD nacional que desejem a vitória de Sócrates

O presidente do PSD-Madeira, Alberto João Jardim, avisou ontem que não admite que existam pessoas ao mais alto nível no partido que possam desejar a vitória de José Sócrates para defenderem os seus interesses económicos. Alberto João Jardim apelou ainda às bases para fazerem uma limpeza desses personagens, promovendo o ressurgimento do velho PPD de Sá Carneiro e de Cavaco Silva. “O PSD-M não admite que haja grupos ao mais alto nível dentro do PSD que querem a vitória de Sócrates para defenderem os seus interesses económicos”, disse Jardim no comício que marcou a festa de Natal do partido na Madeira.“Eu faço, daqui, em nome do PSD-Madeira, um apelo às bases do partido para que se livrem dessa gente toda, para que afastem as personagens dos últimos anos e meses e que façam um ressurgimento do partido: o velho PPD-PSD de Sá Carneiro e de Cavaco Silva”, declarou. Na sua opinião, “o PPD pode ganhar as eleições, o PPD pode correr com o Sócrates”.Alberto João Jardim salientou ainda que 2009 será um ano difícil, considerando que os socialistas preparam “novas vinganças” contra a Madeira, pelo que é “vital correr com o Sócrates para o futuro dos portugueses”. Por isso, as palavras de ordem para 2009 serão “resistir, lutar e trabalhar”, prometeu. in público

HÁ MILITANTES DO PSD NO CONTINENTE QUE NÃO GOSTAM DE ALBERTO JOÃO JARDIM

ESTAS SÃO DECLARAÇÕES DE UM SOCIAL DEMOCRATA QUE COMPARA A SITUAÇÃO DE PENAMACOR À DA MADEIRA .... ESTE SOCIAL DEMOCRATA NÃO GOSTA DE ALBERTO JOÃO JARDIM.
PENAMACOR É A MADEIRA DO CONTINENTE

O que se passa em Penamacor não é diferente do que acontece na Madeira. A comparação, ao nível da violação dos direitos democráticos, foi feita pelo líder da bancada da oposição(PSD) na última reunião pública do executivo.
A entrega tardia de documentos ou a falta de resposta aos requerimentos apresentados pela oposição são alguns dos exemplos apresentados por Vítor Gabriel para justificar a afirmação que "o que se passa em Penamacor ao nível da violação dos direitos da oposição e dos direitos democráticos não é diferente daquilo que acontece na Madeira, e às vezes até pior".
O líder da bancada "Todos por Penamacor" deixa outro exemplo "a utilização abusiva de telemóveis por parte de funcionários e avençados da Câmara municipal, um abuso de recursos...". Um caso denunciado à IGAL "mas até à data sem qualquer resposta".
O presidente da câmara municipal de Penamacor responde com a inspecção ordinária que a IGAL (Inspecção Geral da Administração Local) está nesta altura a realizar à câmara municipal "desde 1998 que a câmara não era inspeccionada. e aguardávamos a vinda dos senhores inspectores que estão instalados na autarquia a fazer o trabalho deles." Domingos Torrão aguarda "com serenidade" o relatório final da inspecção da IGAL.

CANDEIAS ÀS AVESSAS .... CRISES PARTIDÁRIAS??

Ângelo Correia desafia Ferreira Leite
Ângelo Correia, militante do PSD, critica Manuela Ferreira Leite por ser líder de uma facção. E dispara contra o Governo “duplamente anómalo” de Durão Barroso.
Ângelo Correia desafia Manuela Ferreira Leite a reflectir sobre a continuidade à frente do PSD. O antigo dirigente e ministro do partido diz, ao Rádio Clube, que tem receio de um mau resultado nas eleições do próximo ano.
Alegre já admite alternativa para ir a votos
No discurso, o deputado socialista foi o mais claro que podia ser: "A reconfiguração da esquerda implica a capacidade e a vontade de construir uma perspectiva alternativa de poder." E embora "talvez aqui as convergências sejam mais difíceis de construir", há que ter uma "nova coragem", a "coragem de virar a página e construir uma nova esperança e uma nova alternativa". É preciso, disse, quebrar um "novo tabu": aquele em de um lado está uma esquerda [a do PS] que quando é Governo "deixa de ser praticante"; e, do outro, outra esquerda [a do PCP e a do Bloco de Esquerda] "que se acantona no contrapoder".
Ruptura entre Nobre Guedes e Portas
A "hostilidade" não permitiu a eleição, diz Nobre Guedes
O fim de uma bela amizade ficou ontem assinalado com o afastamento de Nobre Guedes do próximo Congresso do CDS, onde o antigo braço-direito de Paulo Portas se preparava para aparecer com uma moção para alterar a estratégia do partido, embora sem questionar a liderança.Nobre Guedes falhou a eleição de delegados por dois votos. Nas últimas eleições de delegados a um congresso, tinha sido o mais votado da sua concelhia, Lisboa. Desta vez, os militantes atiraram-no para um não elegível 45.º lugar. Luís Nobre Guedes culpa Portas pela derrota.

LEI DO JOGO


REQUERIMENTO DO PS À ESPERA DE RESPOSTA

PASSARAM MAIS DE 2 MESES


Victor Sérgio Spínola de Freitas, deputado do partido Socialista na Assembleia Legislativa vem, nos termos da alínea g) do artigo 8º do Regimento da Assembleia Legislativa da Madeira, requerer a V. Exa. o favor de solicitar à Senhora Secretária Regional do Turismo e Transportes o seguinte:

Descriminar quais foram as inspecções que foram realizadas no âmbito da Lei do Jogo e no âmbito dos contratos de concessão, bem como, as respectivas conclusões das inspecções;
Cópias de todos os contratos de concessão e eventuais instrumentos de alteração e renovação ao longo dos anos, na RAM.

Com os melhores cumprimentos
Funchal, 10 de Outubro de 2008
O Deputado

(Victor Sérgio Spínola de Freitas)

PROPOSTA DO PS NA ALRAM


PROJECTO DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL - (REVOGA O DLR Nº 19/2006/M, DE 5 DE JUNHO, QUE APROVA AS CONDIÇÕES DE ALTERAÇÃO E PRORROGAÇÃO POR MAIS 10 ANOS DO PRAZO DE CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DE JOGOS DE FORTUNA OU AZAR NO CASINO DA ZONA DE JOGO DO FUNCHAL, BEM COMO RESOLUÇÕES CONSEQUENTES)
Historial recente:
No ano 2000 o Parlamento e o Governo prorrogaram a concessão no Jogo de 2003 até 2013;
No ano 2006, 7 anos antes do términos da concessão a Assembleia e o Governo, prorrogaram a concessão do jogo no Funchal de 2013 até 2023;
Objectivo da propostas:
Manter a concessão até 2013 e anular a concessão entre 2013 e 2023;
Entende o PS que a concessão deve ser revista só em 2011 após a tomada de posse do Novo Governo que sair dessas eleições;
O Novo Governo tem 2 anos para o fazer antes do términos da concessão, que é em 2013;
Nota: muito há a dizer sobre esta matéria .... será dito em 2009...

NEOAUTONOMIA .....

INDEPENDÊNCIA SUBSIDIADA ...
O discurso de determinados representantes do povo está cada vez mais parecido com o discurso dos centralistas " QUEM QUER ILHAS TEM DE PAGÁ-LAS".
Hoje fazem o mesmo discurso que aqueles que dizem que nós Madeirenses vivemos à custa do dinheiro dos contribuintes nacionais.
Estes senhores estão cada vez mais com um discurso confuso em que as tantas não se percebe se são os Centralistas a falar se são Autonomistas a bradar....

domingo, 14 de dezembro de 2008

UM PARLAMENTO QUEIROZIANO

Este é o parlamento de Eça de Queirós
14.12.2008, Texto Tolentino de Nóbrega

Insultos, agressões físicas e ameaças. É a Assembleia da Madeira, que de tal forma lembra Uma Campanha Alegre que foi ordenada uma décalage de cinco minutos na transmissão do plenário online. Mais ou menos democrática, a ideia foi impedir o visionamento de "cenas desprestigiantes". Mas isso não muda a realidade. Memórias de mais de 30 anos de episódios.
A opinião tem pela Câmara dos Deputados um sentimento unânime e unanimemente declarado: o tédio. Diz-se mal da Câmara por toda a parte. Os jornais mais sérios falam constantemente da sua improdutividade. Ela é geralmente considerada como um sórdido covil de intrigas. Se se pergunta:- Que houve hoje na Câmara?- Uma farsa - respondem uns.- Uma feira - respondem outros."Não era sobre a Assembleia Legislativa da Madeira (ALM) que escrevia Eça de Queirós, em Maio de 1871. O parlamento regional só foi criado um século depois, mas em apenas três décadas de existência, marcada por picardias nalguns casos de cariz insultuoso e acompanhadas de agressões físicas, pouco parece diferir da câmara de deputados retratada pelo escritor em Uma Campanha Alegre. O recente episódio do deputado do PND, José Manuel Coelho, a desfraldar uma bandeira com a cruz suástica no parlamento, em protesto contra o novo regimento, que restringia os direitos de iniciativa e intervenção dos partidos da oposição, colocou nas primeiras páginas dos jornais e na abertura dos telejornais o hemiciclo da Avenida do Mar. Sobretudo pela consequente "imediata suspensão" do deputado, acusado de "demência" em processo sumaríssimo e sem direito a defesa, por requerimento do PSD. No dia seguinte, prossegue Eça de Queirós, "os jornais políticos vêm cheios destas fórmulas: 'A Câmara ontem deu um espectáculo triste para quem preza os verdadeiros princípios... 'A Câmara está oferecendo a prova da sua falta de independência...' 'A Câmara salta por cima dos princípios mais rudimentares da administração'."- O parlamento é uma vergonha - diz-se nos cafés.- Vamos aos touros! - exclama-se nas galerias (textual).- Amanhã há escândalo! - murmura-se na véspera das sessões.E houve. De facto, o deputado foi impedido de entrar no parlamento. E o líder regional do PND, Baltazar Aguiar, expulso da galeria do público por exaltados protestos contra a suspensão do "deputado do relógio", sem prévio procedimento judicial. "Não! Isto é extremamente sério! Para que o presidente de uma Câmara mande evacuar as galerias com o motivo de elas não presenciarem as posições que os deputados estão tomando", escreve Queirós. Depois, adianta o escritor, "aparecem contra ela panfletos satíricos". No quinzenário Garajau, a preencher toda a capa, surge uma foto de Jardim, vestido de Hitler e bandeira nazi em fundo, com uma sua frase sobre a oposição em parangonas: "Mas não posso estar em todo o lado e por isso peço ao povo que vá tratando deles enquanto eu vou trabalhando."Fazem-se-lhe epigramas, põem-se-lhe alcunhas. Os folhetins escarnecem-na; os jornais de notícias contam com uma singeleza dramática: "Ontem a sessão passou-se em injúrias pessoais."Contam os diários que Jardim verberou aquelas "palhaçadas de uns analfabetos, na Assembleia Regional". Apontando-lhes "impotência" e "indigência cultural e política", disse que têm por objectivo "tentar abandalhar os trabalhos da assembleia" e "são preparadas fora desta por conhecida burguesia ambiciosa", a qual, "se tivesse rédea solta, voltar-se-ia à exploração do povo como no passado". Para cortar o mal pela raiz, isto é, o comando exterior, o presidente do parlamento, Miguel Mendonça, ordenou que houvesse uma "décalage de cinco minutos" na transmissão do "plenário online", para poder impedir o visionamento de "cenas desprestigiantes".Um dos primeiros episódios nada prestigiantes aconteceu logo no final da primeira legislatura, quando o parlamento ainda funcionava no antigo salão nobre da Junta Geral do Distrito, com deputados sentados em carteiras escolares. O padre Martins Júnior, então deputado eleito pela UDP, foi violentamente agredido no interior da assembleia. Identificou como autor da agressão, confirmada por relatório médico, um deputado do PSD, mas o inquérito acabou por ser arquivado por falta de provas. Quase 30 anos depois, em Março de 2006, o secretário-geral do PSD, Jaime Ramos, terá tentado agredir o irmão daquele padre, Bernardo Martins (PS), no que foi impedido por outros deputados que participavam na conferência de líderes, no intervalo do plenário. Por "filho da puta", entre outros impropérios, foi tratado o deputado do PS só porque se insurgiu contra a forma pouco cortês como Ramos reagiu a uma intervenção de Violante Saramago Matos. "Vai à merda", rematou o número dois do PSD madeirense quando esta deputada do Bloco de Esquerda discordava da interpretação do regimento a adaptar numa sessão especial. Como noutras circunstâncias, o presidente do parlamento, Miguel Mendonça, lembrou que não tem "poderes disciplinares sobre os deputados" que, no quadro dos seus deveres, têm a obrigação de respeitar a autoridade da mesa". Mas esta, lamentou, nem sempre é obedecida, "apesar dos apelos à contenção". Mendonça, conforme revelaram deputados oposicionistas, terá sido mesmo insultado por um companheiro de partido, numa anterior conferência de líderes.Pouco cavalheiro tinha sido igualmente Ramos ao tratar por "cabra" outra deputada, Rita Pestana (PS), num plenário. Mais longe foi, no final da legislatura em 2004, na ameaça de "um tiro nos cornos" ao líder comunista Edgar Silva. Em debate estava a constituição de uma comissão de inquérito pedida pelo PCP à derrapagem da empreitada do Parque Temático de Santana, em que estariam envolvidas construtoras ligadas ao líder parlamentar do PSD.Por "tonto" tratou Jardim o antigo primeiro-ministro António Guterres e Jaime Gama, antes de o actual presidente da Assembleia da República descobrir que o líder insular passara de Bokassa a "supremo exemplo de democracia". Na discussão do Plano e Orçamento para 1996, prolongados até de madrugada, Jardim, numa eufórica reacção pós-jantar, interrompeu várias vezes a intervenção de Gil França, chamando "burro" ao orador. Mas não gostou que o deputado do PS lhe devolvesse o epíteto "com a mesma simpatia", e, em protesto, abandonou a sessão, o que, a qualquer pretexto, se repete na única vez que anualmente vai ao parlamento, para discussão do Plano e Orçamento. Dois anos depois, novamente num desses debates, o presidente madeirense classificou de "delinquentes potenciais" e "perigo social" os dois deputados do PCP, Edgar Silva e Leonel Nunes. Ainda em 1998, o deputado Coito Pita (PSD), em tom ameaçador, desafiou a "ir lá fora" Martins Júnior (então no PS), designando-o por "fantoche comunista", numa troca de insultos que esteve à beira das vias de facto. A Martins Júnior o PSD levantou a imunidade para responder em tribunal pelas suspeitas levantadas ao desaparecimento de valiosíssimas pratas, em 1997, aquando da transferência do parlamento para a antiga Alfândega, a cargo de deputados da maioria que, não raras vezes, têm posto em causa as capacidades intelectuais de deputados das minorias. Em Fevereiro de 2002, o PSD aprovou na Assembleia um requerimento no sentido de proceder à "avaliação das faculdades mentais" do deputado João Carlos Gouveia, hoje líder do PS madeirense. "É próprio dos regimes fascistas e dos ditadores ameaçarem os seus opositores com a prisão ou com o hospital psiquiátrico", comentou Bernardo Martins, líder da bancada socialista, ao apresentar um voto de protesto pela apresentação do requerimento e pela conduta do presidente ao admiti-lo para votação, "atentatória da dignidade dos deputados" e "desprestigiante para o parlamento e para a região".Por condenar "o comportamento de verdadeiros garotos" dos seus companheiros de partido, Virgílio Pereira foi alvo de processo disciplinar ordenado por Jardim e afastado da vice-presidência da comissão política do PSD, num congresso extraordinário convocado expressamente com esse objectivo. "Que me demitam, se quiserem. Não sou eu que prejudico o partido, o que prejudica o PSD são certos comportamentos", respondeu Pereira. "Talvez seja o político que menos insultou os adversários, algo que, pelos vistos, se tornou hábito na Madeira. Nunca utilizei termos como 'burro' ou 'tonto' para me dirigir aos meus opositores, por exemplo", lembrou, numa indirecta a Jardim, aquele antigo presidente da Câmara do Funchal e ex-eurodeputado. "Se não respeitamos a dignidade dos cargos, não dignificamos a política", advertiu.Quando, também em 2005, o Tribunal do Funchal condenou João Carlos Gouveia por crime de difamação a Jardim, a defesa do deputado contrapôs com os "excessos verbais" do governante que mereceu do jornal espanhol El Mundo o título de "o mestre português do insulto". A sentença reconheceu que "o contexto político da Madeira é caracterizado por uma particular contundência, à qual não é alheio o discurso político do próprio" presidente do governo regional. Aliás, imitado pelos seus pares. "Burro" chamou Ramos, em Dezembro de 2004, ao líder do PS, Jacinto Serrão, na discussão do programa de governo. Interrompido por constantes apartes do chefe do governo, Serrão lembrou a Jardim que na véspera ouvira em silêncio o seu discurso de duas horas e meia, tão longo que, disse, faria "adormecer rinocerontes". A este comentário reagiu energicamente Ramos, que endereçou ao dirigente socialista os epítetos de "rinoceronte", "gatuno" e "burro".Aconselhando Ramos a não entrar pelo "caminho da zoologia", Serrão acusou o também secretário-geral do PSD de chegar a "milionário ao fim de dez anos", quando antes era "vendedor de sifões de retretes". "Jaiminho, Jaiminho, onde arranjaste o dinheiro?", questionou. O ambiente aqueceu tanto, com troca de impropérios imperceptíveis, que ficou impróprio para prosseguir o debate. No longo discurso de abertura, Jardim acusou o PS de "colonialista", o PCP de "polícia política" e o BE de "partido das tias de Cascais", além dos habituais ataques a Lisboa, esteja no poder o PS ou o PSD. Em Julho de 2005, quando Jardim quis expulsar os chineses da Madeira, o PSD aprovou no parlamento um voto de protesto pelo pedido de desculpas à China apresentado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros. O documento mostrava estranheza "não só ela demência de tal medida, bem como pela pessoa que a produz", o "sr. Diogo" [Freitas do Amaral].Um mês antes, os deputados sociais-democratas aplaudiram, de pé, os insultos de Jardim aos "bastardos, para não lhes chamar filhos da puta", da comunicação social, que noticiaram a acumulação da reforma com a totalidade do vencimento de presidente do governo, benesse já então abolida a nível nacional. Indignados, os deputados da oposição classificaram a atitude social-democrata de "garotice", "palhaçada" e "própria de uma república de bananas", tendo o líder do CDS-PP proposto que a gravação dos aplausos "fosse enviada para a Quinta Vigia [residência oficial do governante] e para a Coreia do Norte"."As provocações (diz o sr. Melício) eram acompanhadas de murros sobre as carteiras. Quadro esplêndido!" Eça parece descrever a sessão comemorativa dos 25 anos da autonomia, celebrada a 1 de Julho de 2002, durante a qual a maioria reagiu às críticas das oposições ao "poder absoluto e autocrático" na Madeira, ruidosamente, com "todas as variedades sonoras de uma argumentação eloquente!" Um dos convidados, o ministro da República, Monteiro Diniz, foi demovido de abandonar a sessão presidida pelo Presidente da República, Jorge Sampaio, quando Jaime Ramos o atacou como "resquício do colonialismo". Terá sido para evitar a reedição da cena que o Presidente Cavaco Silva a não incluiu no programa da sua primeira visita oficial à região, uma sessão de boas-vindas no parlamento, como fez nos Açores. O chefe de Estado seguiu o conselho de Jardim, para quem "era dar uma péssima imagem da Madeira mostrar o bando de loucos que está dentro da Assembleia Legislativa". E recebeu no hotel onde se hospedou os representantes das oposições que este conselheiro de Estado também trata por "rafeiros", "subversivos idiotas", "malandros", "canalhas", "tarados", "psiquicamente doentes".Advertência final de Eça: "Não queremos que acusem as Farpas de parciais! Não se dirá que foi a nossa pena, exaltada pela fantasia e pela ironia, que desenhou os contornos de uma sessão memorável na Câmara!"

sábado, 13 de dezembro de 2008

AS MISTERIOSAS VIAGENS DE JARDIM A BRUXELAS

CONSTA POR AI QUE JARDIM JÁ ARRANJOU UM PART-TIME EM BRUXELAS.....

UM POUCO DE ANÁLISE ....ORÇAMENTO 2009


A imprensa estava à espera de um acto "espectacular" de José Manuel Coelho, o acto "espectacular" veio de Alberto João Jardim.


1º - O discurso do dito foi pejado de má educação, falta de respeito, ofensas aos adversários, política do bota-a-baixo, sem ideias ou propostas, uma autêntica verborreia de nulidades e banalidades;


2º - A síntese do discurso é esta: ofensas e desresponsabilização política;

3º - Discurso profuso, difuso e confuso;


4º - Sobre o presente nada, sobre o futuro nada, sobre o passado tudo;


Acto "espectacular" do PSD-M


Alterações ao Regimento que condicionaram o debate do Orçamento, 15 horas de "tempo de antena" para o PSD e 3 horas para as oposições.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

in http://terreirodaluta.blogspot.com/

A arte da guerra


Esta gente perdeu completamente a cabeça. Ameaça. Insulta. Grita. Vitupera. Como se não houvesse amanhã. Ou como se a razão tivesse cedido definitivamente o passo à grosseria da intolerância e ao primarismo da irracionalidade. Oxalá me engane. Mas os níveis de agressividade do discurso político atingiram entre nós um ponto de tal modo elevado que isto um dia acaba mal.
É claro que não é novidade para ninguém que há na política madeirense uma assinalável sedução pelo calor desregrado do destempero. Seja devido à latitude que temos. Seja por causa do capacete que nos turva a vista e comprime as meninges. Ainda assim, convenhamos. As coisas têm descambado para um plano em que se torna urgente a profilática procura de um outro tipo de explicações. Sob pena de, um dia destes, nos vermos todos envolvidos num imenso arraial de tapona colectiva sem percebermos muito bem porquê.
O que hoje se viu no parlamento é mau de mais para poder ser aceite ou até mesmo descrito. Só faltou a agressão física. Só terão faltado os tiros. Mas lá tivemos o pior do ambiente de taberna. Lá tivemos a gritaria de quem acha que a política é a arte da guerra.
Eu suspeito que as coisas devem ter corrido mal ao dr. Jardim na sua mais recente excursão a Lisboa. Ouviu certamente das boas. Se não de Silva Pereira, pelo menos de Cavaco Silva. E, o que é pior, deve ter ouvido em silêncio. Como é próprio dos que sabem ser desmesuradamente fortes com os fracos e miseravelmente fracos com os fortes. Deverá ter trazido, em suma, demasiadas coisas entaladas na garganta. E como só é capaz de remir os desaforos em casa, vá de espernear em público, vá de arremeter contra quem não tem nem o tempo nem os meios para lhe responder à medida. Verdadeiramente heróico, senhor presidente. Como se sabe, aliás, que é seu timbre.
Não nos enganemos, porém. O dr. Jardim semeia a irracionalidade, mas fá-lo de forma planeada. Apela aos instintos, é certo. Porém, mede muito bem onde pretende chegar. O insulto, para ele, não passa de um instrumento. Do mesmo modo que a ameaça não passa de um meio. O que ele quis, com o seu execrável discurso de hoje, foi dizer aos berros a Lisboa que aqui quem manda é ele. Deixando, ao mesmo tempo, aos que vivem nesta terra, mais uma eloquente mensagem de que, enquanto por cá andar, a política não há-de passar da coisa insalubre e rasteira que todos televimos sem edição nem bola vermelha ao canto.
Bernardino da Purificação


quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

O PROFESSOR DO INSULTO!

ESTEVE NO PARLAMENTO E FEZ UM DISCURSO SEM NÍVEL, OFENDEU TUDO E TODOS, FEZ ESCÁRNIO DOS MADEIRENSES, O TIPO ESTÁ VERDADEIRAMENTE XEXÉ!
O TIPO ESTÁ A PERDER QUALIDADES, NEM CONSEGUE SEGUIR UMA LINHA DE DISCURSO ESTÁ PROFUSO, DIFUSO E CONFUSO.

sábado, 6 de dezembro de 2008

OPINIÃO DO PROF. VIRGÍLIO PEREIRA

SOBRE A NÃO ELEIÇÃO DA 3ª VICE-PRESIDÊNCIA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA


No programa “Face-a-Face” da RDP-Madeira, de hoje, sábado, 6 de Dezembro de 2008, o Professor Virgílio Pereira (PSD-M) falou sobre o comportamento do PSD, relativamente à não eleição do Deputado Bernardo Martins para Vice-Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira.

Aqui, fica uma síntese das suas declarações.

Quanto à atitude do PSD em não viabilizar a eleição de Bernardo Martins, o PROFESSOR VIRGÍLO PEREIRA lamentou “este triste espectáculo, que não é salutar e só cria crispação. Esta é uma atitude supérflua do PSD”.
Acrescentou: “a nível externo, isto não é positivo para a imagem da Madeira”.
Disse que “gostaria que esta contenda acabasse e se o PSD arranjasse mais um voto, isso não quer dizer que o PSD apoia o PS ou o Senhor Bernardo Martins. O PSD seria magnânimo e era um gesto superior, possibilitando a eleição do Vice-Presidente do PS”.
Questionado se vale a pena insistir numa nova eleição de Bernardo Martins, o Professor Virgílio respondeu: “Sim, vale a pena resolver isto, sob pena de ser um prejuízo para a imagem da Madeira”.

"Não existe nem nunca existiu ligação entre a Valor Alternativo e o BPN"

Lisboa, 06 Dez (Lusa)- A sociedade gestora de activos Valor Alternativo negou hoje estar a gerir qualquer "produto de fraude", afirmando que tal é "impossível" uma vez que o "regime fiscal aplicável a fundos de investimento imobiliário" a isenta do pagamento de IVA.

A empresa participada pelo social-democrata Manuel Dias Loureiro - seu "chairman não executivo" - e pelo socialista Jorge Coelho desmente ainda que o seu presidente, Rui Vilas, esteja ligado ao BPN através da Fincor, comprada pelo banco em 2000, afirmando que este já "não se encontrava" nesta empresa "em 1996". E esclarece que as participações que Loureiro e Coelho detêm na Valor Alternativo "foram adquiridas depois da constituição do Fundo de Investimento e nenhum tem qualquer relação com a gestão do referido Fundo de Investimento."

O jornal Público noticiou hoje que a empresa Valor Alternativo, onde Dias Loureiro e Jorge Coelho são "accionistas minoritários", "administra e representa" o fundo Valor Alcântara, e que este "foi financiado através de imóveis adquiridos com reembolsos ilícitos de IVA, no montante de 4,5 milhões de euros, entre 1990 e 2004".

A resposta da Valor Alternativo surgiu hoje através de um comunicado: Procura associar-se os Srs. Dr. Manuel Dias Loureiro e Dr. Jorge Coelho à gestão de um "produto de fraude", quando as participações que detêm na Valor Alternativo foram adquiridas depois da constituição do Fundo de Investimento e nenhum tem qualquer relação com a gestão do referido Fundo de Investimento."


"Procura associar-se a Valor Alternativo à devolução ilícita de impostos´, quando esta apenas gere um Fundo de Investimento Imobiliário cujos activos terão alegadamente sido adquiridos previamente à sua integração no Fundo, de forma que está a ser investigada judicialmente (...) o Regime Fiscal aplicável aos Fundos de Investimento Imobiliários isenta-os de IVA, daí a impossibilidade deste fundo ter alguma relação com tal tipo de infracção".

"Há que esclarecer" - sublinha a sociedade" - que a Valor Alternativo foi constituída em Novembro de 2003, tendo as sociedades DL - Gestão e Consultoria, SA e Congetmark - Consultoria, Estudos e Management, Lda, adquirido participações no capital social da Valor Alternativo, respectivamente, em Agosto de 2007 e Maio de 2008", explica o documento, que acrescenta que Jorge Coelho "não exerce qualquer cargo" na empresa.

Segundo a própria empresa, a administração da Valor Alcântara começou a "8 de Maio de 2007, tendo o mesmo sido constituído e registado nos termos da lei, após a aprovação do Conselho Directivo da CMVM a 23 de Março de 2007" e até agora a sua gestão e a da Valor Alternativo "não foram objecto de qualquer processo judicial, ou de outra natureza".

"Não existe nem nunca existiu ligação entre a Valor Alternativo e o BPN", refere o comunicado, que reitera que "em 1996, Rui Vila já não se encontrava na Fincor", comprada em "2000 pelo BPN".



ATF.

Lusa/fim

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

FAZENDO PELA VIDINHA ....SEM INCOMPATIBILIDADES

Auditoria às despesas com a aquisição de estudos/pareceres/projectos e consultadoria -2006


É FARTAR DE VILANAGEM

Em 2006, o montante pago pela SECRETARIA REGIONAL DO EQUIPAMENTO SOCIAL E TRANSPORTES ao Advogado Guilherme Silva, a título de contrapartida pela prestação de serviços forenses, totalizou € 114.476,65, correspondendo a dezanove processos de despesa, cada um relativo a uma prestação de serviços distinta.


Em 2006, os encargos da PLANO E FINANÇAS com honorários e despesas relativos a serviços forenses prestados pelo advogado Guilherme Silva, totalizaram o montante de € 62.342,90.


RECEBEU NUM ANO MAIS DE 175.000 EUROS.

ESTE RELATÓRIO É COM BASE NUMA AMOSTRA - NÃO SABEMOS NO TOTAL QUANTO RECEBEU O SENHOR DEPUTADO GUILHERME SILVA EM 2006!

NOTA: SÓ ESTÃO INCLUÍDAS TRÊS SECRETARIAS....


  • Os exames de auditoria realizados incidiram sobre as despesas realizadas pela Vice-Presidência do Governo Regional e pelas Secretarias Regionais do Equipamento Social e Transportes e do Plano e Finanças.

RELATÓRIO DE AUDITORIA DO TRIBUNAL DE CONTAS - audit-srmtc-rel017-2007-fs

DUPLA PERSONALIDADE ....

CORAJOSO EM RELAÇÃO AO PÚBLICO MAS EM RELAÇÃO AO DIÁRIO NOTÍCIAS NÃO DESMENTEM...

ULTRAPERIFERIAS:

A insistência na mentira
Vários órgãos de comunicação social continuam a veicular uma notícia publicada ontem pelo Publico procurando associar a "decaláge" de 4 a 5 m nas imagens transmitidas pelo site da Assembleia Legislativa da Madeira a patéticas atitudes de censura. Um desmentido do Presidente da Assembleia Legislativa foi enviado ontem para o director do jornal em questão mas ainda não foi publicado com o mesmo destaque e incluindo a divulgação na edição online do jornal. Lamentavelmente insiste-se na insinuação, mas o desafio está lançado: qualquer jornalista, partido, deputado, seja lá quem for, que prove quais, como, e quais as imagens que foram ou venham a ser manipuladas ou censuradas, apontando factos concretos e não fabricando factos apenas com base em conversas da treta de alguns políticos da oposição. Ao que me consta (e não só a mim...), o principal queixoso desta decisão - e não estou a dizer se concordo ou não com ela mas a partir do momento em que foi tomada não tenho comentários a fazer - tem sido o PND, vá lá saber-se porquê?!
LFM - CONFIRMOU AO DIÁRIO DE NOTÍCIAS A CENSURA DAS IMÁGENS NA ALRAM....
QUANTO ÀS "conversas da treta de alguns políticos da oposição"... DIZEM TUDO EM RELAÇÃO À IMPARCIALIDADE QUE DEVE COLOCAR NAS SUAS FUNÇÕES ENQUANTO CHEFE DE GABINETE ...

A ÉTICA DA REPÚBLICA É A ÉTICA DA LEI..

SE ESTÁ TUDO DENTRO DA LEI TUDO BEM.....

PS mais perto da maioria absoluta


Sondagem SIC/Expresso/RR

O PS está agora mais perto da maioria absoluta. No último mês, os socialistas aumentaram a sua distância relativamente ao PSD, segundo os dados do estudo da Eurosondagem para a SIC, Expresso e Rádio Renascença.

A mais ou menos nove meses das eleições, o PS consegue garantir 42,5 por cento das intenções de voto dos inquiridos da Eurosondagem. Ao invés, no último mês, o PSD caiu mais de dois por cento nas intenções de voto. O Bloco de Esquerda garantiu o terceiro lugar e cresceu três décimas. A CDU surge logo a seguir, tendo caído uma décima no último mês. O CDS-PP continua no fim da lista, mas registou uma recuperação de oito décimas.
Ferreira Leite em queda
No barómetro de Dezembro, a presidente do PSD, Manuela Ferreira Leite, registou uma queda significativa de 3, 5 por cento na sua popularidade. Encontra-se em terreno francamente negativo. Logo a seguir, foi o Presidente da República, Cavaco Silva, que sofreu o maior desgaste. O seu saldo desceu 2,3 por cento. Provavelmente, a esta descida não é alheio tudo o que foi dito e escrito sobre o caso do Banco Português de Negócios. Por outro lado, o desempenho do líder comunista, Jerónimo de Sousa, piorou quatro décimas.

Portas recupera e Sócrates em alta


O último mês ficou marcado pela recuperação do presidente do CDS-PP, Paulo Portas. Foi a maior subida: mais de um por cento. Logo a seguir, a acompanhar a tendência do partido que lidera, a maior subida foi a do primeiro-ministro, José Sócrates: quase um por cento. A avaliação do desempenho do primeiro-ministro parece ser imune ao desgaste normal de mais de três anos de mandato. O saldo do líder do Bloco de Esquerda, Francisco Louçã, melhorou seis décimas. Por último, apesar da subida do PS e da popularidade do primeiro-ministro, José Sócrates, o saldo do Governo caiu mais de um por cento.
Ficha TécnicaEstudo de Opinião efectuado pela Eurosondagem, S.A. para o Expresso, SIC e Rádio Renascença, de 27 de Novembro a 2 de Dezembro de 2008. O Universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por Região (Norte – 20,4%; A.M. do Porto – 14,4%; Centro – 28,3%; A.M. de Lisboa – 27,2%; Sul – 9,7%), e aleatória no que concerne ao Sexo e Faixa Etária, de onde resultou Feminino (51,5%), Masculino (48,5%) e 18/30 anos (22,3%), 31/59 anos (53,6%) e 60 anos ou mais (24,1%), num total de 1.030 entrevistas telefónicas validadas, que correspondem a uma taxa de resposta de 83,5%. O objecto da sondagem foi a intenção de voto para eleições legislativas, a actuação de órgãos de soberania e líderes partidários, e questões de âmbito político e social da actualidade. O resultado projectado da intenção de voto, é calculado mediante um exercício meramente matemático, presumindo que os 22,3% respondentes “Ns/Nr” se abstêm. O erro máximo da Amostra é de 3,05%, para um grau de probabilidade de 95%. O Responsável Técnico da Eurosondagem Rui Oliveira Costa Lisboa, 03 de Dezembro de 2008


Portas recupera e Sócrates em alta O último mês ficou marcado pela recuperação do presidente do CDS-PP, Paulo Portas. Foi a maior subida: mais de um por cento. Logo a seguir, a acompanhar a tendência do partido que lidera, a maior subida foi a do primeiro-ministro, José Sócrates: quase um por cento. A avaliação do desempenho do primeiro-ministro parece ser imune ao desgaste normal de mais de três anos de mandato. O saldo do líder do Bloco de Esquerda, Francisco Louçã, melhorou seis décimas. Por último, apesar da subida do PS e da popularidade do primeiro-ministro, José Sócrates, o saldo do Governo caiu mais de um por cento.


Ficha Técnica

Estudo de Opinião efectuado pela Eurosondagem, S.A. para o Expresso, SIC e Rádio Renascença, de 27 de Novembro a 2 de Dezembro de 2008. O Universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por Região (Norte – 20,4%; A.M. do Porto – 14,4%; Centro – 28,3%; A.M. de Lisboa – 27,2%; Sul – 9,7%), e aleatória no que concerne ao Sexo e Faixa Etária, de onde resultou Feminino (51,5%), Masculino (48,5%) e 18/30 anos (22,3%), 31/59 anos (53,6%) e 60 anos ou mais (24,1%), num total de 1.030 entrevistas telefónicas validadas, que correspondem a uma taxa de resposta de 83,5%. O objecto da sondagem foi a intenção de voto para eleições legislativas, a actuação de órgãos de soberania e líderes partidários, e questões de âmbito político e social da actualidade. O resultado projectado da intenção de voto, é calculado mediante um exercício meramente matemático, presumindo que os 22,3% respondentes “Ns/Nr” se abstêm. O erro máximo da Amostra é de 3,05%, para um grau de probabilidade de 95%. O Responsável Técnico da Eurosondagem Rui Oliveira Costa Lisboa, 03 de Dezembro de 2008

É ASSIM QUE O CENTRO INTERNACIONAL DE NEGÓCIO DA MADEIRA ANUNCIA NA SUA PÁGINA O BANCO EFISA


BANCO EFISA, S.A. Sucursal Financeira Exterior - Tranquada Gomes & Coito Pita - Soc. de Advogados Rua do Esmeraldo, nº 47 - 1º Andar - 9000-051 Funchal

Tel: +351.291227772/ Fax: +351.291227470

http://www.sdm.pt/Contacts/Operational/banks/

Pelo exclarecimento de Tranquada Gomes & Coito Pita para a realidade bater certo com o exclarecimento destes senhores têm rápidamente que pedir ao CINM que altere este anúncio do BANCO EFISA que está na´página da net.... pode gerar confusões ... ou então têm muito que explicar!

Is a distinguished member of the Regional Parliament of Madeira


Consultants to Madeira Management

Dr. José Lino Tranquada Gomes Position:


Senior Legal Consultant Languages: English Portuguese Spanish French


A law graduate from the University of Lisbon, has practised law in Madeira since 1982.


Is a distinguished member of the Regional Parliament of Madeira and is senior legal consultant to Madeira Management.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

NÃO DIZ NADA SOBRE A DEMOCRACIA NA MADEIRA


GUILHERME SILVA - VICE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

GUILHERME SILVA DO PSD-M FOI ELEITO VICE-PRESIDENTE NA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA POR 164 VOTOS OU SEJA O PS NÃO DEU SÓ 8 VOTOS QUE ERAM OS NECESSÁRIO PARA SER ELEITO MAS DEU NO MÍNIMO 56 OU SEJA 7 VEZES(7X8) MAIS DO QUE OS MÍNIMOS PARA GUILHERME SILVA DO PSD-M SER ELEITO.
NÃO COLOCOU O ÓNUS NA OPOSIÇÃO COMO CÁ NA MADEIRA!
TODA A GENTE SABE QUE JOÃO ISIDORO DO MPT TEM O RABO PRESO PELO PSD E NÃO É SÓ DE AGORA, JÁ ERA UM INFILTRADO QUANDO ESTAVA NO PS-M.

ATITUDE CANALHA DO PSD-M

NA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA O PS VIABILIZOU A VICE-PRESIDÊNCIA DO PSD E NÃO COLOCOU O ÓNUS SOBRE A OPOSIÇÃO.
O PS NÃO FEZ COMO O PSD-M QUE DEU NO NÚMERO DE VOTOS "NECESSÁRIOS" E PEDIU À OPOSIÇÃO QUE SE ENTENDESSE.

CABE AO PARTIDO MAIORITÁRIO VIABILIZAR AS VICE-PRESIDÊNCIAS DA OPOSIÇÃO

Nº de Deputados por Grupo Parlamentar
PS - 121
PSD - 75
CDS-PP - 12
PCP - 11
BE - 8
PEV - 2
Aos dezasseis dias do mês de Março de dois mil e cinco, procedeu-se à eleição dos Vice-Presidentes, Secretários e Vice-Secretários da Mesa da Assembleia da República para a X Legislatura, tendo sido apurados os seguintes resultados:Votantes - 227
Deputados.Vice-Presidentes:Manuel Alegre de Melo Duarte(PS)Votos 'sim' - 190Votos brancos - 37Votos nulos - 0;
Guilherme Henrique Valente Rodrigues da Silva(PSD)Votos 'sim' - 164Votos brancos - 51Votos nulos - 2;
António Filipe Gaião Rodrigues(PCP)Votos 'sim' - 189Votos brancos - 38Votos nulos - 0;
Telmo Augusto Gomes de Noronha Correia(CDS-PP)Votos 'sim' - 153Votos brancos - 72Votos nulos - 2.

RELEMBRAR OS RESULTADOS DA POLÍTICA DO PSD-MADEIRA

SOMOS RICOS NO PIB MAS POBRES NOS RENDIMENTOS DESPONÍVEIS POR FAMÍLIA!

Instituto Superior de Ciências Sociais e Politicas dá formação à Secretaria Regional do Plano e Finanças

Data de registo: 03-10-2008 0:00:00
Nome entidade adjudicante: Secretaria Regional do Plano e Finanças
Nome entidade adjudiatária: Instituto Superior de Ciências Sociais e Politicas
Objecto do contrato(descrição sumária): Aquisição de serviços de formação
Preço do contrato (Euro): 8.762,44 €
Prazo de execução (dias): 5 dias
Local de execução: Funchal

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

PEDIDO DE ESTUDO AO BANCO EFISA S.A.


Mais um estudo pedido ao tal banco!

Nome entidade adjudicante: Secretaria Regional do Plano e Finanças

Aquisição de serviços de elaboração de um estudo comparador do sector público
Preço do contrato (Euro): 25.000,00 €
Prazo de execução (dias): 30 dias
Local de execução: Funchal
Este Estudo será entregue ao Secretário Ventura Garcês dia 12 Dezembro 2008.

QUANTO NOS CUSTA?

Manutenção das Zonas Verdes e Campo de Golfe do Porto Santo
184.000,00 €

ALBERTO JOÃO JARDIM O SÁDICO

ALBERTO JOÃO JARDIM É UM SÁDICO PORQUE GOSTA DE VER A DEMOCRACIA SOFRER, DA-LHE PRAZER INJURIAR OS ADVERSÁRIOS, DÁ-LHE PRAZER EM HUMILHAR OS ADVERSÁRIOS POLÍTICOS, SENTE UM PRAZER SÁDICO EM MALTRATAR A DEMOCRACIA E TODOS OS QUE SÃO DEMOCRATAS!


Funchal, 03 Dez (Lusa) - O líder do Grupo Parlamentar do PS-M disse hoje que o Presidente da República não pode continuar a ignorar o "problema Madeira", numa alusão à não eleição do socialista Bernardo Martins para a vice-presidência da Assembleia Legislativa.


"O senhor Presidente da República não pode continuar a fugir ao problema chamado Madeira, tem que intervir no sentido de repor o regular funcionamento das instituições democráticas e dar à Região Autónoma da Madeira e aos madeirenses uma democracia a sério", declarou Vítor Freitas em conferência de imprensa.

Para o líder do Grupo Parlamentar do PS-M, "o Presidente da República tem que olhar para a Região Autónoma da Madeira e tratar os madeirenses como cidadãos de primeira porque a Madeira ainda faz parte do país e a democracia na Região está ameaçada". Vítor Freitas anunciou ainda que, "face a esta situação de anormal e irregular funcionamento das instituições democráticas na Região Autónoma da Madeira", irá solicitar ao secretário-geral do PS para que "se pronuncie em relação a esta matéria. Esta não é uma questão da Região Autónoma da Madeira, é uma questão de liberdade e do País". "Solicitamos também a intervenção da líder do PSD, dra Manuela Ferreira Leite, não pode continuar a fugir a esta questão e ao que se passa na Região Autónoma da Madeira", referiu ainda. Segundo Vítor Freitas, a presidente nacional do PSD tem "o dever de se pronunciar" porque, lembrou, "quem faz a Constituição são no essencial os dois maiores partidos do país que são o PS e o PSD e os seus responsáveis a nível nacional têm o dever de se pronunciarem em relação a tudo o que se passa na Região especialmente quando a Constituição não é cumprida".
O parlamentar socialista responsabilizou ainda o presidente do PSD-M e do Governo Regional, Alberto João Jardim, da não eleição de Bernardo Martins para a vice-presidência da Assembleia Legislativa. "O PSD-M não dá liberdade de voto aos seus deputados nesta casa, o PSD-M constrange a liberdade de voto dos seus deputados", disse ao considera não ter dúvidas que "se existisse liberdade de voto no seio do Grupo Parlamentar do PSD-M, esta questão já tinha sido resolvida". "Mas - continuou - são obrigados a votar contra o dr. Bernardo Martins e é o que leva à inviabilização de um vice-presidente". "O PSD-M devia ter vergonha, o presidente do PSD-M, Alberto João Jardim, devia ter vergonha da imagem que dá da Região Autónoma da Madeira", disse. "Esta atitude de constante confronto, de ódio, de uma linguagem ofensiva, de tentar constranger as oposições nesta casa é sinónimo de que a democracia, infelizmente, está doente na Região Autónoma da Madeira e essa doença tem um nome e um rosto, chama-se Alberto João Jardim", declarou. Vítor Freitas lembrou ainda que os socialistas na Assembleia da República e na Assembleia Legislativa dos Açores viabilizaram a eleição de uma vice-presidência para o PSD ao contrário dos social-democratas madeirenses. O PSD-M diz que concede os votos necessários para viabilizar a eleição de Bernardo Martins (dez votos) cabendo aos partidos da oposição (14 votos) cumprir o seu papel. O deputado do MPT-M, João Isidoro, tem votado sempre contra por não aceitar o candidato do PS-M. O candidato do PS-M a vice-presidente da Mesa da Assembleia Legislativa da Madeira, Bernardo Martins, não foi, hoje, pela quarta vez nesta sessão legislativa, eleito para aquele cargo por não ter obtido a maioria de votos dos deputados do parlamento. Num total de 47 votos, nos quais 33 são do PSD-M, Bernardo Martins teria que obter 24 votos para ser eleito. Nesta eleição, em que participaram 45 deputados (dois deputados do PSD-M não compareceram ao plenário), Bernardo Martins obteve 23 votos "Sim" e 22 "Não", não tendo por isso sido eleito. EC

PS pede intervenção de Cavaco, Sócrates e Ferreira Leite

Pela quarta vez os socialistas não conseguiram eleger um vice-presidente para a Assembleia e responsabilizam Alberto João Jardim pela "democracia doente" que se vive na Madeira.
Sara Moura, correspondente do Expresso na Madeira

O Partido Socialista (PS) da Madeira pediu hoje a intervenção das principais figuras políticas do país para combater a falta de liberdade democrática que se vive na Região Autónoma. Após ter falhado pela quarta vez a eleição de um vice-presidente para a Assembleia Legislativa, o PS convocou a imprensa para pedir a Cavaco Silva que marque uma reunião de Conselho de Estado para analisar a questão da democracia na Madeira.
"O Presidente da República não pode continuar a fugir de um problema chamado Madeira, tem que intervir para dar aos madeirenses uma democracia a sério", disse o líder da bancada socialista Vítor Freitas, que pediu também a intervenção de José Sócrates e de Manuela Ferreira Leite.
"Quem constrói a Constituição são os dois maiores partidos, e por isso têm o dever de se pronunciar nestes casos sucessivos de atropelo à democracia". É neste sentido que Vítor Freitas defende a intervenção urgente do secretário-geral do PS, visto tratar-se de uma "questão de liberdade", e uma tomada de posição de Manuela Ferreira Leite, que "não pode continuar a fugir ao que se passa na Região".
Vítor Freitas acusa Alberto João Jardim de ser o verdadeiro responsável pelo chumbo do nome de Bernardo Martins, dizendo que o líder do PSD-Madeira "não dá liberdade de voto aos deputados social-democratas, obrigando-os a votar contra", inviabilizando-se assim o normal funcionamento do processo democrático.
"A democracia na Madeira está doente e essa doença tem um nome: Alberto João Jardim", concluiu Vítor Freitas.
Para eleger Bernardo Martins para a vice-presidência da Assembleia, o PS precisava do voto de 24 dos 47 deputados, mas só conseguiu 23. O PSD disponibilizou 10 votos, o que somando à restante oposição, daria os 24 necessários. Mas o deputado único do MPT, João Isidoro, que na anterior legislatura começou na bancada socialista e terminou como independente por incompatibilização com Bernardo Martins, voltou a bloquear a eleição.

CONSTRUIR DEMOCRACIAS

Portugal sob as orientações da ONU envia soldados e contingentes da GNR por esse mundo para ajudar a construção de democracias, seja em Timor, seja no Kosovo, seja no Afeganistão... dentro do próprio país há um arquipélago com gritantes problemas democráticos ... e nada...

O SECTARISMO POLÍTICO!

O PSD-MADEIRA TEM TODOS OS TIQUES DE SECTARISMO DOS REGIMES TOTALITÁRIOS.
ATÉ QUANDO VÃO ABUSAR DA NOSSA PACIÊNCIA?

PSD-MADEIRA RASGA ESTATUTO E CONSTITUIÇÃO E CHUMBA O VICE-PRESIDENTE DO PS

A FALTA DE DEMOCRACIA, O ANORMAL E IRREGULAR FUNCIONAMENTO DAS INSTITUIÇÕES TEM UM NOME E UM ROSTO NA MADEIRA: ALBERTO JOÃO JARDIM!

ELEIÇÃO DO VICE-PRESIDENTE BERNARDO MARTINS

A BOLA ESTÁ DO LADO DO PSD-MADEIRA!

homens mais elegantes de 2008 o primeiro-ministro português num honroso sexto lugar

"o jornal espanhol El Mundo elaborou uma lista dos vinte homens mais elegantes de 2008. E no 'top' internacional, entre Brad Pitt, Roger Federer e Barack Obama, o diário conservador coloca o primeiro-ministro português num honroso sexto lugar. «Apesar de todas as manifestações, os portugueses respeitam este homem rigoroso, com fatos escuros Armani, gravata grená e cabelo grisalho, que não lhe tira estilo nenhum». Assim assina Virgínia Lopez na lista publicada na revista de domingo do El Mundo, jornal conotado com a direita conservadora que se revela rendido ao «vizinho elegante» socialista. Na lista dos homens mais elegantes de 2008, o primeiro-ministro José Sócrates surge em sexto lugar no 'top' internacional, descrito como «jovem, dinâmico e seguro de si mesmo». O El Mundo elogia o gosto do português pelo jogging e a sua decisão de deixar de fumar, recordando o episódio do cigarro fumado em pleno voo para a Venezuela. Ao mesmo tempo, recorda que Sócrates é considerado «um homem arrogante e irritadiço». O primeiro-ministro português surge bem colocado na tabela dos dez homens 'internacionais' mais elegantes de 2008, liderada pelo estilista veterano alemão Karl Lagerfeld. Em segundo lugar ficou o tenista suíço Roger Federer, seguido de Barack Obama, Brad Pitt, o Príncipe Haakon da Noruega, Sócrates, Jude Law, o Príncipe Carlos de Inglaterra, Nicolas Sarkozy e o Príncipe Kyril da Bulgária. Na lista dos espanhóis, o ex-político Suárez Illana, filho de Adolfo Suárez, foi considerado o mais elegante, seguido do treinador do Barcelona Pep Guardiola. Em terceiro lugar ficou o modelo Andrés Valencoso, seguido do Príncipe Felipe, Eduardo Zaplana, Matías Prats, Ángel Schlesser, Tommy Robredo, José María Cano e Rafael Medina".

O ORGULHO DA MADEIRA!

Cristiano Ronaldo já é o melhor do Mundo para a France Football. Arrasou a concorrência na votação para a Bola de Ouro, com 446 pontos em 480 possíveis, e reforçou o favoritismo para a eleição como Jogador FIFA de 2008.

Fica mal a certos políticos que colam-se que nem lapas a Cristiano Ronaldo ... quando o mérito é do próprio e não do Governo do PSD!


terça-feira, 2 de dezembro de 2008

ANORMALIDADE DEMOCRÁTICA!

O Órgão Presidente da República sempre virou as costas ao que se foi passando na Madeira e nunca nenhum titular, até hoje, quis entrar na lama do mau funcionamento da democracia nesta terra. E pode-se, humanamente, compreender que, perante essa lama bem patente em que todos, mesmo o mais comum dos mortais, que, quando vê um arruaceiro, tudo faz para não se cruzar com ele. Mas se, humanamente, se entende - politicamente há que agir.