sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

in http://terreirodaluta.blogspot.com/

A arte da guerra


Esta gente perdeu completamente a cabeça. Ameaça. Insulta. Grita. Vitupera. Como se não houvesse amanhã. Ou como se a razão tivesse cedido definitivamente o passo à grosseria da intolerância e ao primarismo da irracionalidade. Oxalá me engane. Mas os níveis de agressividade do discurso político atingiram entre nós um ponto de tal modo elevado que isto um dia acaba mal.
É claro que não é novidade para ninguém que há na política madeirense uma assinalável sedução pelo calor desregrado do destempero. Seja devido à latitude que temos. Seja por causa do capacete que nos turva a vista e comprime as meninges. Ainda assim, convenhamos. As coisas têm descambado para um plano em que se torna urgente a profilática procura de um outro tipo de explicações. Sob pena de, um dia destes, nos vermos todos envolvidos num imenso arraial de tapona colectiva sem percebermos muito bem porquê.
O que hoje se viu no parlamento é mau de mais para poder ser aceite ou até mesmo descrito. Só faltou a agressão física. Só terão faltado os tiros. Mas lá tivemos o pior do ambiente de taberna. Lá tivemos a gritaria de quem acha que a política é a arte da guerra.
Eu suspeito que as coisas devem ter corrido mal ao dr. Jardim na sua mais recente excursão a Lisboa. Ouviu certamente das boas. Se não de Silva Pereira, pelo menos de Cavaco Silva. E, o que é pior, deve ter ouvido em silêncio. Como é próprio dos que sabem ser desmesuradamente fortes com os fracos e miseravelmente fracos com os fortes. Deverá ter trazido, em suma, demasiadas coisas entaladas na garganta. E como só é capaz de remir os desaforos em casa, vá de espernear em público, vá de arremeter contra quem não tem nem o tempo nem os meios para lhe responder à medida. Verdadeiramente heróico, senhor presidente. Como se sabe, aliás, que é seu timbre.
Não nos enganemos, porém. O dr. Jardim semeia a irracionalidade, mas fá-lo de forma planeada. Apela aos instintos, é certo. Porém, mede muito bem onde pretende chegar. O insulto, para ele, não passa de um instrumento. Do mesmo modo que a ameaça não passa de um meio. O que ele quis, com o seu execrável discurso de hoje, foi dizer aos berros a Lisboa que aqui quem manda é ele. Deixando, ao mesmo tempo, aos que vivem nesta terra, mais uma eloquente mensagem de que, enquanto por cá andar, a política não há-de passar da coisa insalubre e rasteira que todos televimos sem edição nem bola vermelha ao canto.
Bernardino da Purificação


3 comentários:

BaBy_BoY_sWiM disse...

Gostaria que fosse ao jantar de blogues no próximo dia 22!

Anónimo disse...

Resumo do Orçamento da Região Autónoma da Madeira para 2009 (ORAM09):

Vamos pedir um empréstimo para pagar os juros dos empréstimos que contraímos.

Alexandro Pestana - www.miradouro.pt disse...

loooooooooooooool. Convido-vos a aparecerem nisto:

bELA, banda americana intérprete de tema dos Morangos com Açúcar dá concerto na FNAC Madeira dia 20 de Dezembro, às 20h
Graças ao Miradouro.pt, à FNAC Madeira e ao Hotel Jardins da Ajuda, em estreia em Portugal, bELA, a banda do tema "Do you Care" da série Morangos com Açúcar, da TVI, vem à Madeira dar um concerto de entrada gratuita com o objectivo de angariarmos donativos de bens alimentares para oferecermos à Cáritas do Funchal.
Apareçam e tragam bens alimentares não perecíveis como massa, arroz, enlatados, cereais e coisas semelhantes com prazos de validade longos.
Aproveitem esta oportunidade única de verem uma banda internacional fantástica, comprarem o seu CD autografado que será posto à venda na Madeira no mesmo dia e de contribuirem para esta nobre causa!

Site da banda: www.belamusiconline.com

Leia a Press Release com uma entrevista exclusiva à banda aqui:
www.miradouro.pt/docs/Prel_Bela-Miradouro-pt-12122008.pdf

Faça download da promo do concerto aqui:
www.miradouro.pt/docs/Spot-Concerto-Bela-2008-web.mp3

As fotos do concerto serão posteriomente publicadas aqui:
www.miradouro.pt/galeria/main.php?g2_itemId=8755

Fonte: Miradouro
Alexandro Pestana ( DJ_Alex ).