quinta-feira, 13 de maio de 2010

AS CINZAS ANTI-DEMOCRÁTICAS, QUE PAIRAM SOBRE A MADEIRA, SUFOCAM A LIBERDADE DE IMPRENSA


Editorial
Razões de uma demissão



Levo hoje ao conhecimento dos leitores a minha demissão do cargo de Director do Diário de Notícias.

Uma decisão pessoal emergente do regime de excepção criado à Comunicação Social madeirense.

Como é do domínio público, a imprensa é um dos ramos de actividade que mais têm sentido a recessão económico-financeira mundial. No caso, acresce o sufoco e o cerco ao nosso jornal congeminado e perpetrado pelo presidente do governo da Madeira, dr. Alberto João Jardim, que está a aproveitar as dificuldades deste período negro, com reflexos fatais no mercado insular, para concretizar o seu antigo projecto de fechar o DIÁRIO. Depois de muitos anos a atribuir ao DN ofensas e ataques pretensamente gerados contra si, o dr. Jardim passou à estratégia de desvirtuar o mercado regional dos media, passando expressamente a beneficiar em 1992 um jornal concorrente - o Jornal da Madeira - com uma verba anual astronómica. Em 2009, o total dos apoios recebidos por aquele órgão ascendia aos 42 milhões de euros. Trata-se de uma injecção de 11 mil euros diários no JM, com discriminação do resto da imprensa.

Paralelamente, o dr. Jardim utilizava os actos públicos para intimidar os empresários que anunciavam no DN. Reduziu também praticamente a zeros a publicidade oficial no nosso diário, entregando-a na quase totalidade ao JM. E as instituições públicas dependentes do governo regional receberam ordens para cortar as centenas de assinaturas do DN.

Não satisfeito com os atropelos à lei para levar este diário à falência, o dr. Jardim, em Janeiro de 2008, passou o JM a gratuito, aumentando a sua tiragem de 5 mil para 15 mil exemplares. Gratuito apesar de em capa apresentar o preço de 0,10 €. E ainda com uma máquina de distribuição a agravar os já delirantes custos cobertos integralmente pelos impostos do povo. Ou seja, um produto gratuito com características de generalista a ser distribuído de graça ao lado de outro jornal com preço de capa de 0,70€, porque sobrevive do seu trabalho.

É o mesmo que ao lado de um restaurante da praça abrir um outro com refeições gratuitas e com a mesma substância. Ainda por cima, obrigando os funcionários públicos a servir-se no gratuito. Naturalmente que o primeiro restaurante, pago, teria os dias contados.

Os efeitos desta escalada perversa preparada sem escrúpulos pelo dr. Jardim chegaram ao DN, que não recebe quaisquer subsídios. O ano passado, vivemos nesta Casa o drama do despedimento colectivo. Um doloroso processo que tirou o trabalho a profissionais competentes e empenhados. Sem o menor sentimento perante madeirenses com responsabilidades familiares, o dr. Jardim tem continuado a incentivar uma guerra generalizada ao DN, com mentiras descaradas a fazer de argumentação aos seus sinistros desígnios. Hoje, com nova vaga de despedimentos à vista, conforme já assumiu o Conselho de Gerência do DN, o dr. Jardim insinua e faz constar que a situação crítica está criada por culpa do Director, deixando perceber que, resolvido esse 'problema', tudo poderia voltar ao 'normal'.

Trata-se de uma manobra vil e crapulosa para tentar baralhar causas e efeitos. O dr. Jardim, habituado a estracinhar adversários e até companheiros seus na praça pública, e a fazer bullying com a imprensa (ontem com uns, hoje com outros, amanhã com outros ainda), percebeu que nem todos os alvos estão talhados para apanhar e calar. Daí tentar fazer crer que as reacções aos seus insultos, enxovalhos e linchamentos é que começaram primeiro.

Apesar de tão descarada ser a estratégia, o problema persiste. Há despedimentos à vista. E há rumores sobre putativos culpados. Neste contexto, fui levado a medir atentamente a situação. Concluí que a solução menos má é aquela que acabo de transmitir ao Conselho de Gerência do DN. Em tentativas anteriores, pelos mesmos motivos, o CG rejeitou liminarmente o meu pedido de demissão, até por não aceitar que pressões do exterior influenciassem a vida interna do DN. Posição louvável da empresa. Mas agora, perante as mais recentes investidas contra o DN, decidi tomar unilateralmente a decisão de abandonar o cargo, informando o CG da sua irreversibilidade. Faço-o num momento em que o nosso jornal, embora sem correspondência cabal no suporte financeiro, circula com prestígio e energia, merecendo o apoio e o incentivo dos leitores e dos madeirenses em geral. Agradeço às distintas personalidades que nos têm dado a honra de dar corpo à nossa página de 'Opinião', bem como à estrutura de editores, jornalistas e restantes colaboradores que nestes quase cinco anos comigo trabalharam com competência, qualidade e uma lealdade sem mácula. Dirijo aos assinantes, anunciantes e leitores em geral uma palavra de apreço e de coragem, porque todos percebemos que hoje é perigoso ler as nossas edições. Veja-se o ponto a que chegou a estranha democracia na Madeira!

Recordemos que o Presidente da República, a Assembleia da República, a ERC, os tribunais, os partidos políticos, o governo de Lisboa - todos têm conhecimento dos criminosos atentados contra a liberdade de imprensa na Região. Infelizmente, o que esses dignitários e instituições fazem é vir cá elogiar a "superior qualidade da democracia na Madeira" e a "obra" realizada pelo "democrata" dr. Jardim.

Da minha parte, quero deixar claro que me demito da Direcção do DN mas não me demito da minha carreira, que é a de jornalista. Muito menos estou em fuga de qualquer tipo de confronto. Pelo contrário, terei mais disponibilidade para escrever, agora com o desprendimento de o meu trabalho profissional e as minhas acções pessoais não vincularem a instituição Diário de Notícias. Terei até mais tempo para combater nestas páginas centenárias as cirurgias e os branqueamentos que por vezes vemos por aí fazerem da nossa História. Fá-lo-ei cá dentro do Diário de Notícias, jornal onde comecei a cometer as primeiras gralhas já lá vão 35 anos.

A vida continua hoje.


Luís Calisto

Sem comentários: