segunda-feira, 11 de outubro de 2010

O espelho

O espelho reflecte a nossa imagem invertida e para nos apercebermos disso basta nos colocarmos em frente ao espelho com uma T-shirt com letras estampadas para recebermos uma imagem invertida de nós próprios.
Muitas vezes, olhamos para a governação mas o que vemos é o seu espelho, essa imagem da realidade. São as faustosas inaugurações, os indicadores estudados e preparados para serem exibidos segundo as orientações de quem as apresenta. E quantas vezes a imagem que nos apresentam não passa de uma imagem invertida e ficcionada pelos espelhos dos governantes?
A realidade, hoje, é retratada de forma mediática e a maioria de nós passa a viver da realidade apresentada sem olhar à sua verdadeira situação. Se, não raras vezes, os autores que montam determinadas realidades acabam acreditando na ficção que criaram, sem ligar aos sinais contraditórios que o dia-a-dia lhes apresenta, podemos imaginar o que acontece com a generalidade das pessoas.
Os dias de hoje parecem daqueles momentos em que a história nos confronta com uma impensável realidade, como se de um momento para outro a realidade não fosse a mesma, mesmo que à nossa volta tudo nos parece exactamente igual. A realidade hoje já não é facilmente perceptível. Quem dita a nossa realidade, quem a constrói são os mercados financeiros, é a alta finança, são os especuladores, é, cada vez mais, o confuso mundo financeiro que constrói e desconstrói a nossa realidade.
Sou de uma geração que teve o crédito barato, em que a banca não só estava disponível como incentivava os empréstimos. Criou-se a cultura do “viva-se hoje, pague-se amanhã”. Foi esta a escola que tivemos, mas foi também esta a escola que vimos diariamente ser apresentada pelos governantes da nossa Terra: constrói-se hoje, pague-se no futuro. Se a minha geração viveu estes dias de crédito fácil, a geração que nos governa tinha a responsabilidade de perceber que a realidade não é a crédito. A realidade que vivemos a crédito terá agora de ser paga. Chegou a hora da verdade.

Sem comentários: