terça-feira, 2 de julho de 2013

“O regime do PSD acaba em 2013”


 “Este regime do PSD, com mais de 30 anos, acaba neste ano de 2013”. A promessa é de Victor Freitas e foi feita no encerramento das jornadas parlamentares do PS-M que decorreram, entre ontem e hoje, no Hotel ...Vida Mar, no Funchal.

O líder socialista acredita que depois das eleições de Setembro haverá, na Região, “autarcas de várias cores partidárias” porque, assegura, “temos uma sociedade que rompeu com o PSD e com o medo”.

Victor Freitas citou o papa Francisco que diz que “envolver-se na política é um dever para um cristão que não pode lavar as mãos como Pilatos”, para apelar aos madeirenses para que apostem na mudança.

Nestas jornadas parlamentares do PS-M a revisão do Programa de Ajustamento Económico e Financeiro da Região (PAEF) foi o tema central. No primeiro dia foi abordado o sector da saúde e hoje o debate incluiu a educação e as áreas económicas.

“Ano e meio depois da assinatura do PAEF”, Victor Freitas garante que este plano já produziu efeitos, destruindo a economia e criando uma taxa de desemprego superior a 20%. Rever o programa de ajustamento é essencial para o PS-M que não tem dúvidas de que o PSD e o CDS não o farão, porque têm um comportamento “bipolar”, na Madeira defendem uma coisa e na Assembleia da República outra, como aconteceu com a proposta de redução da taxa do IVA.

“Estas traições do PSD e do CDS” devem ter um sinal dos eleitores, em Setembro, com Victor Freitas a garantir que apenas o PS está em condições, na Madeira e na República, para alterar a grave situação em que os portugueses e os madeirenses se encontram.

Victor Freitas aproveitou a intervenção final nas jornadas parlamentares para acusar o Governo Regional do PSD-M de, ao contrário do que foi referido, não só ter vendido a participação na ANAM, como ter alienado a posição na empresa que permitia à Região definir o serviço público. “Nenhum governo da Madeira poderá, durante 50 anos, mandar nos aeroportos e não poderá impor regras de serviço público”, afirmou.
Ver mais

Sem comentários: